E-commerce dá dinheiro, sim. Basta saber como fazê-lo

Por Colaborador externo | 23.09.2014 às 13:00
photo_camera Divulgação

Por Tiago DOC Luz*

Num mundo cada vez mais carente de tempo, poucas coisas são tão importantes quanto os momentos que conseguimos dedicar à família, aos amigos e outros aspectos importantes da nossa vida. Sabendo que a tendência é que essa situação se agrave com o passar dos anos, utilizar o canal online para compras, sejam elas recorrentes ou não, é o modo mais inteligente de salvar seu tempo.

Essa modalidade de compras tem se tornado cada vez mais presente em nossas vidas. Bastam alguns cliques e, pronto. É só aguardar a entrega. Há quem reclame por pagar frete, mas se pararmos para pensar, quanto gastamos em combustível e estacionamento indo pessoalmente às lojas físicas? Você pode não ter percebido, mas adquirir produtos on-line faz de você uma pessoa mais inteligente com seu próprio tempo. Não à toa, esse mercado cresce em faturamento a cada ano.

Apesar de um cenário extremamente favorável, no Brasil, o e-commerce parece ainda não ter encontrado seu caminho. A ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), divulgou recentemente os resultados de uma pesquisa, que apontava que cerca de 70% dos e-commerces brasileiros não efetuam nem 10 vendas por mês. Informação diretamente proporcional ao fato de 22,3% dessas empresas “fecharem as portas” antes de completarem dois anos de existência, segundo o SEBRAE.

Mas o que causa esses “fracassos”, se, na teoria e no faturamento bruto, o mercado de comércio digital é tão conveniente? Simples: grande parte das empresas ainda não sabe como fazê-lo e não investem em quem saiba. Se alguém de minha família estiver precisando de uma cirurgia, escolherei um cirurgião com experiência para executá-la. Pode parecer uma comparação absurda, mas não é. Especialistas na área podem desvendar problemas que leigos não identificam e que fazem toda a diferença no sucesso do negócio.

Hoje em dia é comum buscar cursos para entrar no mercado de e-commerce. Isso é ótimo e aconselhável. Mas cuidado: Antes de investir seu tempo e dinheiro, busque saber quem é o professor e qual sua experiência de mercado. Saber o básico dificilmente proporcionará sucesso em seu negócio digital. Conselhos e dicas de quem realmente entende é o grande diferencial.

Há ainda uma falsa ideia de que e-commerce proporciona um retorno rápido e garantido. É verdade que o investimento é muito menor que uma loja física, mas como todo negócio, uma loja virtual precisa de uma pesquisa de mercado. Encontrar o seu nicho, sobretudo, é o caminho para novos empreendimentos online. Um pequeno empreendedor jamais conseguirá bater preços e presença de mercado de uma Amazon, ou de uma B2W. Essas empresas investem pesado em grandes escalas de comercialização, o que lhes garantem os melhores preços em praticamente tudo o que vendem.

Mas existem as brechas que esses grandes varejistas deixam. E sempre deixam. Pesquise se o produto que pretende disponibilizar é o que seu público quer adquirir. Atraia seu consumidor oferecendo produtos únicos, personalizados. Conquiste o mercado de maneira que o seu cliente volte sempre a visitar seu website. Crie programas de fidelidade e dê descontos a quem divulgar seu negócio. A criatividade está a seu favor. Se não pode ser o maior e-commerce, seja o melhor, proporcionando uma experiência única aos visitantes de sua loja online.

O que fica como lição é que é possível ter um e-commerce rentável. É preciso dedicação, bons profissionais e muita disposição para inovar constantemente.

* Tiago Luz é Diretor e Chief Evangelist da VTex, além do criador do SiteClinic - CRO Hangout de discussão para o mercado online brasileiro.