Armazenamento em flash e o futuro do datacenter

Por Colaborador externo | 23 de Agosto de 2016 às 14h16

Por James Honey*

O armazenamento em flash, já consagrado no mercado de consumo (como celulares e laptops), agora entra com força nas empresas, onde está rapidamente tomando o lugar das unidades de disco rígido devido à melhor relação custo-benefício. Desta forma, ainda que o armazenamento em unidades de disco rígido continue como a base do datacenter por causa do custo relativamente baixo para armazenar e acessar dados frios, é nítido que qualquer organização que não considerar o armazenamento em flash de dados ativos ficará em desvantagem.

Em outras palavras, estamos agora na era do armazenamento em flash.

Em que situação o armazenamento em flash é ideal?

Quando o custo era alto demais para a implementação geral do armazenamento em flash, o gerenciamento de TI precisava desenvolver planos de implementação específicos e rigorosos para justificar o gasto. Mesmo assim, era comum haver uma discussão entre as equipes sobre quem deveria implantar o armazenamento em flash: a equipe de banco de dados seria responsável? E a equipe de virtualização? Agora que as soluções de armazenamento em flash estão muito mais acessíveis, as organizações que procuram saber a melhor forma de usá-las devem considerar as áreas que necessitam de melhor desempenho.

Por exemplo, a infraestrutura da área de trabalho virtual é uma ótima oportunidade para a implantação com armazenamento em flash, pois ela costuma ser responsável por lidar com as infames tempestades de inicialização. Nesse caso, não seria útil comprar centenas de unidades de disco rígido por causa de dois ou três períodos de pico de usuários inicializando computadores, quando há necessidade de alto desempenho. Entre esses períodos, a quantidade de dados é muito baixa para justificar toda a capacidade das unidades de disco rígido, e isso acaba sendo um desperdício de capacidade e utilização. Portanto, o armazenamento em flash seria uma solução muito mais eficiente e econômica.

Os bancos de dados são outro exemplo, e talvez o melhor candidato para o armazenamento em flash, com estabilidade para proporcionar alto nível de E/S e redução substancial da latência. O suporte a um banco de dados com armazenamento em flash também diminui as chances de o administrador de armazenamento continuar procurando culpados na relação entre desempenho e latência.

No entanto, qualquer ambiente que exija alto nível de E/S é um excelente candidato a uma solução de armazenamento em flash. O principal é saber sobre a total necessidade da carga de trabalho do aplicativo agora e no futuro.

Maximização de recursos e armazenamento em nuvem

Em 2016, com a enorme quantidade de soluções de armazenamento em flash disponíveis no mercado, muitos fornecedores de armazenamento comentam sobre o enorme avanço desse tipo de tecnologia, relembrando os velhos tempos das unidades de disco rígido, quando os processadores tinham que esperar pelos dados, e todo o processo era extremamente lento. Atualmente, depois que as organizações passam pelo obstáculo inicial da compra de soluções de armazenamento em flash, seus benefícios podem ser totalmente aproveitados, fortalecendo ainda mais o caso do armazenamento em flash e proporcionando avanços econômicos para toda a organização, não apenas ao armazenamento.

Olhando para o futuro, a recente convergência da computação em nuvem e do armazenamento em flash levou a novas soluções de armazenamento de TI híbrida, capazes de criar um datacenter de última geração, alto desempenho e máxima eficiência. Essas soluções foram desenvolvidas para mover os dados inativos (também conhecidos como dados frios) para a nuvem, em vez de movê-los para soluções de unidade de disco rígido. As organizações ainda precisam desses dados frios, mas como são inativos e têm menos chances de serem acessados depois de oficialmente armazenados, mantê-los na nuvem é uma solução muito mais eficiente e econômica; e quando a organização precisar acessá-los novamente, basta baixá-los.

Considere o seguinte: se os administradores de armazenamento estiverem usando todo o potencial da solução de TI híbrida, eles não terão que esperar os processadores de dados; ou seja, estarão otimizando o uso de todos os sistemas de TI, inclusive a nuvem. Basicamente, isso significa que a organização inteira compensou o gasto inicial com vários benefícios, além do armazenamento de dados inovador. Esses benefícios podem ajudar a empresa a concretizar avanços econômicos.

Práticas recomendadas de gerenciamento de armazenamento

O setor de armazenamento está passando por um momento interessante, em que vários tipos de armazenamento estão igualmente em evidência e são úteis para as empresas modernas, incluindo unidades de disco rígido, armazenamento em flash e nuvem. Embora o armazenamento em flash esteja sem dúvida preparado para superar as implantações de unidades de disco rígido, estas continuarão fazendo parte das soluções dos fornecedores nos próximos anos, principalmente no tocante ao armazenamento de TI híbrida, e as soluções serão classificadas como: antiga geração, nova geração ou última geração.

No entanto, essas mudanças interessantes e dinâmicas no setor indicam que a necessidade de monitorar as soluções de armazenamento e seus respectivos dados será mais importante do que nunca, enquanto os profissionais de TI trabalham para fazer a transição das unidades de disco rígido para o armazenamento em flash e para a nuvem.

Normalmente, os fornecedores de armazenamento em flash oferecem ferramentas de monitoramento e gerenciamento próprias, mas elas costumam aumentar as instâncias de silos no datacenter porque o datacenter de uma organização costuma ser composto por soluções e dispositivos de armazenamento heterogêneos. Para reduzir a probabilidade de problemas de gerenciamento e garantir que a flexibilidade e a economia não se percam em meio à complexidade administrativa, as organizações devem utilizar “uma ferramenta para controlar tudo,” capaz de consolidar e monitorar todas as soluções em um único painel.

Por fim, lembre-se de que mesmo que haja planos para comprar e implementar o armazenamento em flash agora ou no futuro, ainda pode haver situações em que o hardware herdado seja usado no datacenter; portanto, é necessário ter um plano para deixar de usar esse hardware e manter os dados importantes. Esse plano também deve incluir o gerenciamento da capacidade geral do armazenamento, seja ele de nova ou antiga geração.

Conclusão

Sempre haverá exceções à regra, mas os especialistas do setor esperam que os dados ativos sejam executados em armazenamento em flash para assegurar a eficiência do datacenter, que os dados inativos sejam transferidos para a nuvem, e as unidades de disco rígido se tornem cada vez menos usadas como parte das estratégias de armazenamento das empresas em geral, devido às limitações de desempenho, confiabilidade e inovação. Durante essa transição, as empresas devem implantar soluções de monitoramento abrangentes, além de criar e seguir um roteiro para armazenar dados herdados.

*James Honey é gerente de marketing de produto sênior da SolarWinds.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!