Por que é proibido usar celular ou tablet durante um voo?

Por Douglas Ciriaco | 01 de Abril de 2016 às 15h45

Quando o avião está prestes a decolar, o comandante, a tripulação ou então aquelas mensagens gravadas que dão instruções solicitam a todos que desliguem os aparelhos eletrônicos. O mesmo procedimento se repete na hora de aterrissagem e, em alguns casos, até mesmo durante o voo é solicitado aos passageiros que mantenham seus gadgets todos desligados, inclusive aqueles que possuem o modo avião.

Mas por que isso acontece? Qual é a explicação por trás disso? Não há nenhuma tecnologia atual capaz de garantir que os smartphones, tablets e notebooks possam funcionar sem problema? Calma, nós respondemos tudo isso para você.

Por que é proibido usar celular durante um voo?

Basicamente, a proibição se deve ao fato de que as ondas eletromagnéticas emitidas por um aparelho eletrônico capaz de se comunicar via rede sem fio (ou seja, tablets, smartphones, notebooks, câmeras digitais, smarwatches e por aí vai) podem ser grandes o suficiente para causar interferências nos instrumentos do avião. Com isso, a aeronave pode ter problemas para pousar ou decolar ou até mesmo para se localizar.

E isso faz sentido. Você já deve ter ouvido interferências do seu telefone celular na caixa de som do computador ou mesmo no alto-falante de um carro. Vamos nos lembrar que um avião está repleto de aparelhos de comunicação via rádio e também lotado de pessoas. Assim, é razoável imaginar o potencial de interferência destes dispositivos, o que poderia prejudicar as comunicações de um avião e causar efeitos catastróficos.

Modo avião

Várias companhias permitem o uso durante o voo de aparelhos no modo avião. (Foto: Reprodução/TechRadar)

Há ainda algumas teorias conspiratórias sobre o tema. Como não há uma certeza exata de que aparelhos eletrônicos podem, de fato, derrubar um avião, muita gente acredita que a proibição se deve a um lobby das empresas de telefonia. Isso porque uma ligação feita a 10 mil pés de altura e a várias centenas de quilômetros por hora ficaria “rebatendo” em várias torres de sinal, obrigando as operadoras a rever alguns tratados de roaming nacional e internacional.

Nem mesmo no modo avião?

Recentemente, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), órgão do governo federal responsável pela regulamentação da aviação civil no Brasil, emitiu um novo regulamento autorizando as companhias aéreas a liberarem o uso de aparelhos eletrônicos durante os voos, porém, desde que estes permaneçam no modo avião. Quanto esta função está ativada, o gadget corta todas as comunicações, ou seja, não pode acessar redes Wi-Fi, redes móveis, conexões Bluetooth ou qualquer outra.

Neste caso, a obrigatoriedade de manter tudo desligado se restringiria a momentos críticos, como turbulências, pousos e decolagens e tem mais a ver com a questão de segurança das pessoas em si, não das comunicações. A ideia é garantir que as saídas de emergência estarão livres e que ninguém, nem passageiros nem tripulação, estará distraído.

A norma foi emitida após uma solicitação da Gol, que garantiu inclusive o direito de permitir que seus passageiros usassem seus smartphones durante o taxiamento da aeronave após um pouso. E a companhia quer ainda mais: ainda no ano passado, ela solicitou junto a Anac autorização para ampliar o uso dos eletrônicos por seus passageiros e começou a oferecer conexões Wi-Fi aos seus clientes durante o voo.

Para permitir o uso em modo avião em seus voos, a companhia aérea precisa solicitar uma autorização junto a Anac. Recentemente, a Avianca também recebeu o aval para ampliar o uso dos gadgets em suas viagens.

iPad avião

Algumas companhias já usam iPads como apoio para o piloto e copiloto (Foto: Reprodução/BGR)

Nos Estados Unidos, uma norma semelhante à brasileira já existe desde 2013. Além disso, lá, a Comissão Federal de Comunicações (FCC) propôs novas regras para liberar que cada companhia aérea decida quais gadgets os passageiros podem usar durante um voo. De acordo com a FCC, as atuais regras de proibição datam de mais de duas décadas atrás e foram criadas para proteger as aeronaves de interferências de rádio. Atualmente, existem tecnologias que podem ser instaladas nas aeronaves a fim de evitar este tipo de interferência.

Aqui, uma curiosidade: nos EUA, diferente do Brasil, quem proíbe o uso de celulares nos voos é a FCC, que seria o equivalente à Anatel brasileira. A Anac de lá, que se chama Administração da Aviação Federal (FAA), atualmente deixa a cargo de cada companhia aérea proibir ou liberar o uso de aparelhos eletrônicos durante um voo.

Na Europa, a Agência Europeia de Segurança na Aviação (EASA) revogou em 2014 uma norma que obrigava o desligamento dos gadgets ou ao menos a sua utilização em modo avião durante um voo. A partir da mudança, as companhias aéreas poderiam decidir autorizar ou não o uso dos eletrônicos durante o voo e poderiam também oferecer conexões a internet para os seus clientes. Para isso, bastava receber uma aprovação da EASA, que vinha após uma análise para garantir que as comunicações do avião não sofreriam interferência eletromagnética dos portáteis.

Ou seja...

O que dá para perceber diante de tudo isso é que sim, as emissões eletromagnéticas do seu aparelho eletrônico podem causar interferência em um voo; contudo, usar o gadget em modo avião ainda é a opção mais segura. Além disso, algumas tecnologias específicas podem oferecer até mesmo a conexão com a internet durante um voo, tudo de maneira segura. Só depende das companhias aéreas.

Fontes: Como Tudo Funciona, Forbes, FCC, EASA

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.