Nova descoberta sugere que golfinhos se comunicam por palavras e até frases

Por Redação | 13.09.2016 às 22:41

Pela primeira vez na história, pesquisadores conseguiram gravar dois golfinhos do Mar Negro "conversando" um com o outro, e essa comunicação pode ser muito mais sofisticada do que se pensava anteriormente. Há anos, os cientistas sabem que os golfinhos usam uma linguagem bastante complexa para se comunicar, mas as novas descobertas sugerem que eles sejam capazes de encadear até cinco palavras e até mesmo usar uma espécie de gramática para modificar o significado das frases.

Sarah Knapton, líder da equipe de pesquisa, afirma que essa troca de informações entre os animais se assemelha essencialmente a uma conversa entre duas pessoas. Além disso, cada impulso produzido por eles é único, diferenciando-se pela sua aparência no domínio do tempo e da frequência. A equipe descobriu esse novo padrão de conversa utilizando um novo tipo de microfone à prova d'água, revelando informações até então totalmente desconhecidas. O novo equipamento permitiu gravar essas conversas entre os dois golfinhos, Yasha e Yana, com um grande nível de detalhes inéditos.

Após analisar essas gravações, o grupo disse que encontrou evidências de que os golfinhos estavam formando "palavras" por meio da emissão de pulsos em diferentes frequências, volume e espectro, assim como a linguagem dos humanos. Embora nesse estágio ainda seja impossível saber o significado das palavras formadas, os cientistas afirmam que, aparentemente, os animais formaram frases de até cinco palavras durante a breve conversa. Também existem evidências de que estruturas gramaticais foram desenvolvidas, permitindo sentenças mais complexas, apesar de serem necessárias mais provas para comprovar essa teoria específica.

Segundo os pesquisadores, o mais fascinante nisso tudo é a interação entre esses golfinhos, sendo possível perceber que eles estavam interessados no que os outros tinham a dizer, e entenderam que eles tinham que se revezar na hora de emitir sons para evitar o embaralhamento das mensagens. Um dos cientistas disse que a análise dos vários pulsos registrados na experiência mostrou que os golfinhos se revezaram na produção dos sons, e não interromperam um ao outro, o que dá razão para acreditar que cada um deles ouviu os pulsos do outro antes de emitir sua própria mensagem.

O estudo ainda informa que a linguagem apresenta todas as características presentes na linguagem humana falada, indicando um alto nível de inteligência e consciência dos golfinhos. Com base em todas essas informações, os pesquisadores acreditam que há evidências suficientes para sugerir que esses animais têm a sua própria linguagem, e que nós estamos apenas começando a entendê-la. O próximo e complicado passo é descobrir como "traduzir" as palavras dos animais para a língua dos seres humanos.

O estilo semelhante de comunicação pode não ser a única coisa comum entre humanos e golfinhos. Em 2011, pesquisadores descobriram que os animais mantinham relações de amizade e de família, da mesma forma que os seres humanos. E mais recentemente, no início do ano, estudiosos italianos chegaram à conclusão de que eles também lamentam e choram pela morte de entes queridos. Ainda vai levar bastante tempo até que possamos identificar claramente todos esses elementos linguísticos descobertos, mas comprovar sua presença e seus mecanismos já é um enorme passo para o objetivo final.

Via: Business Insider