Humanidade pode ser apenas um zoológico para alienígenas, diz astrofísico

Por Redação | 10.07.2016 às 14:00

No livro Sob a Redoma, o autor Stephen King faz uma brincadeira com a pequenez humanidade, transformando uma pequena cidade dos Estados Unidos em uma fazenda de formigas para alienígenas muito superiores do que nós. E, por mais que muita gente torça o nariz para o absurdo do roteiro, há alguns cientistas bastante renomados que acreditam que a verdade pode estar exatamente neste caminho. Claro que não devemos ter redomas ao nosso redor, mas há quem acredite que esses extraterrestres estão apenas nos observando de longe, como se fôssemos animais em um zoológico.

Esse papo de maluco é, de fato, uma teoria compartilhada por ninguém menos do que o astrofísico (e popstar) do momento Neil DeGrasse Tyson. Durante uma apresentação na Espanha, ele comentou um pouco sobre a existência de vida fora da Terra e compartilhou um pouco sobre seu curioso ponto de vista sobre o caso. Segundo ele, existe vida alienígena lá fora, mas ela é muito mais inteligente que a raça humana e não está nem aí para nós e para o que fazemos por aqui.

Tanto que, para Tyson, a humanidade dificilmente conseguira fazer algum tipo de contato com essas civilizações que habitam o espaço. Isso por que ele acredita que esse intelecto superior faz com que, para os ETs, se comunicar conosco seja uma enorme perda de tempo. Seria quase como se nós tentássemos estabelecer algum tipo de comunicação racional com algum animal em um zoológico, voltando a analogia anterior. Para o astrofísico, da mesma forma como nós não paramos nossos afazeres para entender a tecnologia de uma lagarta, os alienígenas não fazem isso conosco.

Neil deGrasse Tyson

Para Neil DeGrasse Tyson, humanidade é burra demais para chamar a atenção de raça alienígenas

Aliás, é esse desinteresse cósmico com os eventos da Terra que também nos impediu de sermos aniquilados por essas raças superiores. Ao contrário do que Hollywood e a ficção-científica nos mostraram, não há qualquer razão plausível que faça uma raça alienígena vir aqui nos invadir e nos exterminar. Tyson retoma a comparação com a lagarta dizendo que, assim como você se entediaria caso tentasse eliminar todas as lagartas do planeta, os alienígenas também se cansariam de matar os humanos.

Desse modo, ele diz que a única maneira de a Terra ser minimamente interessante para esses povos seria fazer dela uma espécie de zoológico — ou uma fazendo de formigas —, no qual esses povos intelectualmente superiores nos observariam para se divertir da nossa estupidez. E isso incluiria até mesmo criar desestabilizações políticas para ver como esse bando de primata reagiria. Se isso for verdade, torçamos para que os aliens não vejam nossas redes sociais.

Por fim, o astrofísico diz acreditar que, na verdade, os alienígenas nem se deram ao trabalho de olhar para a Terra em busca de vida inteligente. Para eles, devemos ser tão burros que nem chamamos a sua atenção. Assim como não conseguimos compreender o que um macaco quer dizer, dificilmente eles nos compreenderiam. Para Tyson, nós nos achamos inteligentes porque fomos nós que decidimos o que é ser inteligente. Porém, a verdade pode ser muito maior do que isso.

Via: The Independent, Metro, The Inquisitr