Caderno de Alan Turing é leiloado por mais de US$ 1 milhão

Por Redação | 16 de Abril de 2015 às 11h26
photo_camera Reprodução/Associated Press

Um leilão realizado nesta segunda-feira (13) foi palco da venda de um caderno que pertenceu a Alan Turing, gênio britânico considerado um dos pais da computação moderna e famoso por ter decodificado a máquina alemã Enigma durante a Segunda Guerra Mundial. O livrete contém diversas anotações do cientista.

Com 56 páginas, o manuscrito de Turing data de 1942, época em que o matemático e pioneiro cientista da computação trabalhava para o governo britânico tentando desvendar as mensagens cifradas da aparentemente inexpugnável Enigma. Acredita-se que este seja o único trabalho escrito extenso deixado por Alan Turing, contendo várias anotações de complexos esquemas de matemática e ciência da computação, como é mostrado na imagem de uma das páginas do caderno:

Alan Turing caderno

Além do caderno, o leilão também foi responsável pela venda de uma máquina Enigma feita na Alemanha em 1944 - e que ainda funciona - pelo valor de US$ 269 mil.

Outras contribuições do matemático incluem o famoso teste de Turing, em vigor até hoje. A técnica consiste em dizer se uma máquina é ou não dotada de inteligência artificial, ou seja, se o aparelho é capaz de exibir comportamento inteligente semelhante ao de um ser humano. Basicamente, Turing dizia que a melhor maneira de medir a sensibilidade artificial de uma máquina seria ver se ela consegue enganar as pessoas e fazer acreditá-las de que é humana e não um aparelho.

O trabalho de Alan Turing se tornou mais conhecido após o filme "O Jogo da Imitação", no qual o matemático foi interpretado pelo ator Benedict Cumberbatch. O longa, inclusive, chegou a ganhar o Oscar de melhor roteiro adaptado.

Apesar das grandes contribuições de Turing para ajudar os Aliados a vencerem a guerra, a vida dele depois do conflito foi marcada por polêmicas e tristeza. O cientista, que era gay, foi indiciado por indecência em 1952 - época em que a homossexualidade era considerada crime no Reino Unido. Para não ser enviado para a prisão, ele acabou concordando em se submeter a um tratamento hormonal para tentar "eliminar" sua homossexualidade. Além disso, o cientista também sofreu castração química.

Alan Turing morreu em 1954, por envenenamento com cianureto. A morte foi considerada suicídio, mas há controvérsias e familiares e amigos acreditam que o envenenamento tenha sido acidental - inclusive, há evidências de que ele faleceu de intoxicação devido aos remédios que tomava para cumprir sua pena. Em 2013, o governo britânico concedeu o perdão real ao matemático por ser gay.

Depois do falecimento, alguns de seus bens - incluindo o caderno leiloado nesta semana - foram herdados por seu amigo e aluno Robin Grandy.

O caderno permaneceu com Grandy até sua morte, em 1995. Nesse meio tempo, o ex-aluno de Turing o utilizou para escrever seus sonhos (a pedido do psiquiatra com o qual se consultava) e também como diário. Inclusive, entre as anotações pessoais de Grandy, chama a atenção o seguinte trecho: "Parece ser um disfarce digno escrever aqui no meio de todas essas anotações de Alan, mas possivelmente um pouco sinistro; uma figura paterna, do qual herdei muitos pensamentos, com certeza".

A Bonhams Auctions, empresa responsável pelo leilão, disse que o comprador desejou manter o anonimato, mas comentou que parte do valor arrecadado com o caderno de Alan Turing e a máquina Enigma será doado para caridade.

Via Mashable

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!