Viciado em internet? A resposta para essa obsessão pode estar nos seus genes

Por Redação | 31.08.2012 às 19:30

O vício em internet é algo real, e até comum, diga-se de passagem. Mas a novidade é que alguns pesquisadores da Universidade de Bonn, na Alemanha, descobriram que a origem desse vício pode ser explicada em nível molecular.

O relatório foi divulgado no Journal of Addiction Medicine e afirma que uma simples variação em um gene pode resultar em uma maior dependência da internet - particularmente em mulheres.

"Vício em internet não é uma invenção da nossa imaginação", diz o autor Christian Montag em um comunicado. "Os dados atuais já mostram que há indícios claros de causas genéticas do vício em internet ... Se tais conexões forem melhor compreendidas, isso também irá resultar em indicações importantes para as melhores terapias".

Os pesquisadores entrevistaram 843 pessoas sobre seus hábitos na Internet e descobriram que 132 delas exibiram "comportamento problemático na forma como lidam com o meio on-line", tanto que "todos os seus pensamentos giram em torno da Internet durante o dia".

Usando amostras de DNA, eles compararam a composição genética desses homens e mulheres com a de um grupo controlado, e descobriram que o grupo problemático apresentou com mais frequência essa variação genética, que também tem sido associada à dependência de nicotina.

Como Christian Montag explica, a nicotina do tabaco se encaixa como uma chave para esse receptor e ativa o sistema de recompensa do cérebro, e a internet parece desempenhar um papel semelhante. Ele acrescenta que estudos maiores devem ser realizados para investigar mais essa conexão, porque além de simplesmente validá-lo, entender o mecanismo poderia melhorar futuras terapias.