Empresas e redes sociais foram peças-chave para morte de Bin Laden, diz autor

Por Redação | 30 de Outubro de 2012 às 12h30

A captura e morte do líder do grupo terrorista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, em maio de 2011, ainda está em discussão durante o período eleitoral norte-americano. E o autor de 'The Finish: The Killing of Osama Bin Laden', Mark Bowden, afirma que as empresas de tecnologia e as redes sociais foram peças fundamentais para o exército dos Estados Unidos finalizar a operação de 'caça' à Bin Laden.

Em seu novo livro, Bowden detalha o trabalho do Pentágono em parceria com empresas do Vale do Sílicio, incluindo a empresa de análises Palantir, para garantir que o ataque à casa onde Bin Laden estava escondido fosse bem-sucedida. Além disso, o Twitter também teria um papel importante na ação e quase colocou a operação em risco quando os helicópteros do exército entraram Abbottadad, Paquistão, e um morador local começou a 'tuitar' em tempo real o que estava ouvindo.

Osama Bin Laden

A notícia da morte de Bin Laden foi divulgada primeiramente no Twitter

O Twitter também foi importante na forma como influenciou Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, a lidar com as notícias do evento e, se não fosse pelo microblog, os cidadãos do mundo todo teriam que esperar alguns dias para saber da morte de Bin Laden.

"Houve uma discussão para esperar até a manhã do dia seguinte para anunciar", afirmou Bowden à Forbes. "Mas ficou claro que eles não conseguiriam segurar a informação e a razão por não conseguir mantê-la segura foi o fato de que o número de pessoas que começaram a saber o que estava acontecendo cresceu exponencialmente".

Na época, a notícia vazou primeiramente no Twitter, com Keith Urbahn, chefe da equipe de Donald Rumsfeld, tendo publicado a informação em seu perfil pessoal. "Então, eu ouvi de uma pessoa respeitável que eles mataram Osama Bin Laden. Maldição", escreveu Urbahn.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.