Apps de paquera estão dificultando o trabalho dos profissionais do sexo

Por Redação | 30 de Outubro de 2014 às 10h10

Não é de hoje que a internet e os meios digitais proporcionam formas de conhecer novas pessoas e, muitas vezes, começar novos relacionamentos. Graças à utilização do meio para este fim, há algum tempo começaram a surgir inúmeros aplicativos voltados para a paquera.

Hoje, quem tem um smartphone dificilmente nunca ouviu falar em algum app que tenha essa finalidade. O próprio Tinder, cuja base de usuários já ultrapassa a marca de um bilhão de perfis, possui, assim como outros aplicativos, serviços de geolocalização, que facilitam ainda mais o contato íntimo com outras pessoas.

Porém, quem imaginava que esses apps facilitadores de relacionamento dificultariam o trabalho de alguém, não é mesmo?

Aparentemente, não é o que pensam os membros do Coletivo de Prostituas da Nova Zelândia. Segundo Catherine Healy, a maior reclamação, na Nova Zelândia e no mundo todo, é a dificuldade de conseguir trabalho nessa área. De acordo com ela, parte da culpa é dos sites de relacionamento, que ajudam as pessoas a acharem parceiros sexuais de forma gratuita.

Healy ainda fala que nos últimos quinze anos, o mercado dos encontros sexuais vem competindo com esse tipo de site. Sites neozelandeses como o NZDating e Findsomeone, com dezenas de milhares de membros cadastrados, mostram que, pelo menos na Nova Zelândia, ela tem toda a razão. Segundo o portal Stuff, no país já existe até um site desenvolvido especialmente para conectar clientes com profissionais do mercado do sexo que estejam por perto.

Uma profissional do sexo chamada Eva, por exemplo, alegou que teve que viajar para conseguir clientes. Ela saiu de Wellington e foi para Sidney em busca de trabalho. Segundo ela, o ideal seria um cliente por dia, embora ela consiga apenas três ou quatro deles por semana.

Apesar de reconhecer a dificuldade que a internet causa à profissão como um todo, nem todos nesse mercado acabam sofrendo com isso. Segundo Jay, nem todos que fazem uso desses aplicativos acabam tendo uma experiência positiva, o que faz com que muitos deles ainda prefiram pagar por sexo.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.