Starbucks desmente que aceitará bitcoins como forma de pagamento

Por Jessica Pinheiro | 07 de Agosto de 2018 às 09h33
Jon Southurst/Twitter

Uma possível parceria entre a Microsoft, a Starbucks, a BCG, a Intercontinental Stock Exchange e várias outras companhias alavancou diversos boatos a respeito de um suposto novo método de pagamento para os clientes da rede de cafés. Ao que tudo indicava, os clientes seriam capazes de utilizar bitcoins para comprar frappuccinos se assim quisessem, mas a história não é bem assim.

O grande foco da parceria é, na verdade, a criação da Bakkt, uma empresa que visa formar uma “rede global integrada” que oferece as soluções em nuvem da Microsoft para criar um ecossistema global, aberto e regulado dedicado a ativos digitais. A notícia acabou sendo mal interpretada e o empreendimento acabou se espalhando como se a Starbucks fosse começar a aceitar bitcoins como forma de pagamento. Mas não, não é isso, ao menos não por enquanto.

Ao Motherboard, um porta-voz da Starbucks esclareceu a situação com um pronunciamento objetivo e incisivo: “os clientes não poderão pagar os frappuccinos com bitcoin”. Contudo, a empresa está desenvolvendo aplicativos para um sistema que pretende facilitar a conversão de criptomoedas em dinheiro de verdade.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

(Imagem: Reprodução)

“É importante esclarecer que não estamos aceitando ativos digitais na Starbucks. Em vez disso, a bolsa converterá ativos digitais como o bitcoin em dólares americanos, que podem ser usados ​​na Starbucks. No momento atual, estamos anunciando o lançamento da negociação e conversão do bitcoin. No entanto, continuaremos a conversar com clientes e órgãos reguladores à medida que o espaço evoluir”, disse o porta-voz ao referido site. Isso significa que, no futuro, pode ser que os boatos espalhados recentemente se tornem realidade.

As taxas de transações atuais envolvendo bitcoins ainda são altas e o tempo médio para processar cada uma delas leva em média 15 a 30 minutos, o que torna a compra de produtos na Starbucks inviável. Com o surgimento da Bakkt e a gradativa expansão do segmento acontecendo, agora que o fervor da novidade das criptomoedas está passando e elas estão sendo regulamentadas em alguns países, este cenário pode mudar futuramente.

Por hora, uma alternativa para pagamento digital são apps de pagamentos móveis como o Apple Pay, Google Pay e Samsung Pay. A Bakkt pode lançar mais uma plataforma de gerenciamento financeiro regulado voltado para bitcoin, mas nada é certo ainda. A única certeza é que a empresa recém-anunciada visa ajudar as empresas e consumidores a comprarem, venderem, armazenarem e gastarem moedas criptografadas com produtos reais, incentivando cada vez mais proprietários de bitcoins a gastarem a moeda digital ao invés de poupá-las.

Fonte: Gizmodo, MSPowerUser

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.