Xbox One vai ficar mais caro no Brasil a partir de novembro

Por Redação | 05.10.2015 às 08:58 - atualizado em 05.10.2015 às 09:29

Era apenas uma questão de tempo para que isso acontecesse, mas não deixa de ser um belo golpe nos jogadores. A Microsoft anunciou no último final de semana que o preço de seus consoles vai passar por um reajuste no Brasil e, a partir do mês de novembro, adquirir um Xbox One ou mesmo um Xbox 360 passa a ser algo um pouco mais salgado por aqui.

A começar pelo próprio sistema de nova geração, que passa a custar R$ 2.500 em sua versão sem Kinect e com HD de 500 GB a partir do dia 1º de novembro. Atualmente, o preço oficial do console é de R$ 2.000, o que faz com que esse aumento seja de assustadores 25%.

Já para quem quer uma experiência mais completa, o reajuste fica ainda mais pesado no bolso. O modelo do One com Kinect, que antes saía por R$ 2.300, passa a custar R$ 3.000. Nem mesmo a versão do Xbox One Elite, prometida para o fim do ano, foi perdoada. Sem o sensor de movimentos e com um HD de 1 TB, a nova versão passará a ser vendida por aqui por R$ 2.900.

Xbox One

O lado bom é que, pelo menos nos jogos, a Microsoft prometeu não mexer e os títulos continuarão custando os mesmos R$ 200 de sempre. O único problema é que isso diz respeito apenas aos títulos exclusivos, uma vez que são outras companhias que determinam os valores de outros lançamentos. O aguardado Star Wars: Battlefront, por exemplo, já pode ser encontrado em pré-venda em algumas lojas por R$ 300.

O Xbox 360 também não foi perdoado nessa nova etiquetagem da Microsoft. Mesmo perto do fim de seu ciclo de vida e com cada vez menos lançamentos chegando para ele, o console vai passar a custar R$ 1.100 no Brasil — um aumento de R$ 150 em relação ao que vinha sendo cobrado até então.

A razão para isso não poderia ser outra além do dólar. Segundo a empresa, a alta da moeda norte-americana — que atualmente gira em torno dos R$ 4 e sem a menor previsão de cair — foi a principal responsável pelos novos valores. Em um comunicado, ela afirma que "depois de avaliar cuidadosamente as flutuações cambiais" e as suas próprias estratégias a longo prazo, a única solução encontrada foi mesmo elevar os preços.

Porém, a companhia ressalta que esses valores só deverão ser cobrados a partir do próximo dia 1º de novembro e as lojas que ainda tiverem os consoles em seus estoques deverão continuar vendendo pelo preço antigo — mas que as reposições de estoque em outubro já vão contar com o reajuste. Isso significa que, se você planejava comprar um Xbox nesse dia das crianças ou mesmo para o Natal, talvez a hora de correr atrás disso seja agora.

Xbox One Forza

Vale lembrar ainda que esses valores apresentados dizem respeito às revendas oficiais, ou seja, algo que devemos ver principalmente nas grandes redes varejistas. Algumas lojas especializadas já trabalham com um preço menor do que o sugerido pela Microsoft — o modelo básico do One, por exemplo, gira em torno de R$ 1.500 em muitos desses lugares —, o que pode fazer com que esse aumento de preço não seja assim tão impactante. Por outro lado, não é possível dizer que esses estabelecimentos não vão mexer nas etiquetas, uma vez que eles também são impactados pela mudança.

Como dito anteriormente, essa mudança no preço era uma tragédia anunciada, uma vez que o aumento repentino no valor do dólar já acendeu o sinal de alerta de toda a comunidade de jogadores do país e era apenas uma questão de tempo para que isso acontecesse. O valor dos games já aumentou há algum tempo e era inevitável que o mesmo acontecesse com os consoles.

O interessante desses novos valores do Xbox One é que ele acontece quase que simultaneamente com o lançamento do PlayStation 4 brasileiro, que chega às lojas neste mês de outubro e com preço sugerido de R$ 2.600. Assim, as duas plataformas de nova geração ficam com valores bem mais próximos e isso deve tornar a disputa pela liderança de mercado bem mais acirrada.

Até então, a Microsoft tinha uma larga diferença pelo fato de seu sistema custar praticamente a metade do que a Sony cobrava por aqui. Com a reviravolta apresentada pelo dólar, a coisa muda de figura e devemos ver números bem mais próximos daqui para frente.