"Project Scarlett": o sucessor do Xbox One está pronto para competir com o PS5

Por Rafael Rodrigues da Silva | 15 de Novembro de 2019 às 12h30
Divulgação/Microsoft
Tudo sobre

Microsoft

Saiba tudo sobre Microsoft

Ver mais

Na última quinta-feira (14), horas antes da transmissão do X019, o presidente da divisão Xbox da MIcrosoft, Phil Spencer, revelou em uma entrevista para o site The Verge que a empresa aprendeu muito com os erros que cometeu durante o lançamento do Xbox One, e que esses não serão repetidos no próximo videogame da empresa que, por enquanto, é conhecido apenas pelo codinome “Project Scarlett”.

Spencer lembra que quando a Microsoft anunciou o Xbox One, o aparelho era US$ 100 dólares mais caro que o PlayStation 4 e era menos potente. Além disso, havia de diversas outras “inovações” que a empresa havia anunciado e que só atrapalharam a recepção do console, como a necessidade de se estar sempre conectado (até mesmo para rodar jogos que não eram online) e a dificuldade que ele criava para se compartilhar um título que você possuía com os seus amigos. Ele afirma que esses serão erros que não serão repetidos pela empresa em seu próximo console, que terá preço e performance comparáveis aos do novo videogame da Sony.

Por enquanto, pouco se sabe sobre o “Project Scarlett”, que foi revelado na E3 deste ano como o novo console da Microsoft e que trará suporte a jogos em 8K, frame rate de até 120 fps, tecnologia ray tracing (a mesma presente nas placas de vídeo mais avançadas para computadores), utilizará um HD SSD (o que deverá diminuir o tempo para os jogos carregarem) e uma CPU customizada especialmente para o console - que será baseada nas arquiteturas Zen 2 e Radeon RDNA da AMD. Além dessas informações técnicas, também já foi confirmado que o próximo videogame da marca terá duas ideias principais em mente: a possibilidade de crossplay (que permitirá que jogadores online disputem partidas de um mesmo game, mesmo usando consoles diferentes) e retrocompatibilidade (rodar jogos de versões anteriores do Xbox).

Além de afirmar que a Microsoft está pronta para competir de igual para igual com a Sony na próxima geração de consoles, Spencer ainda afirmou que este não deverá ser o último videogame lançado pela empresa, e que ela já tem planos para lançar muitas outras gerações do produto após o “Project Scarlet”.

Jogos para PC

Spencer também falou um pouco sobre o futuro da Microsoft na área de jogos para PC. O executivo confirmou que a empresa está trabalhando em uma melhor integração entre a Xbox Live e o Discord (programa utilizado pelos jogadores de PC para conversar enquanto jogam). Ele afirma que essa integração não é algo fácil, porque a infraestrutura de ambas as plataformas são bem diferentes, mas ele acredita que, no futuro, será possível oferecer a seus clientes não apenas crossplay, mas também “cross-talk” - que seria a habilidade de fazer com que jogadores que utilizam o chat da Xbox Live e aqueles que utilizam o Discord possam se comunicar naturalmente, como se ambos estivessem utilizando o mesmo programa.

Perguntado sobre o Stadia e se a empresa tinha o interesse de lançar o Xbox Game Pass dentro do “console virtual” da Google, Spencer afirmou que há um interesse da Microsoft, mas que dificilmente isso se tornará realidade. Eles explica que o principal motivo para isso é a forma como plataforma do Google foi desenvolvida, não oferecendo a abertura para que a Microsoft insira toda a sua biblioteca do Game Pass. Além disso, a criadora do Windows não tem interesse de liberar poucos jogos apenas para dizer que faz parte do Stadia.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.