Para diretor de "A Way Out", PS4 tem o poder de um PC de cinco anos atrás

Por Redação | 22.06.2017 às 12:18

Um dos jogos que mais chamou a atenção na última E3 vai chegar aos consoles já carregando uma grande polêmica nas costas. A Way Out traz uma proposta interessante ao trabalhar com uma ideia de cooperativo assimétrico, mas o criador do game decidiu cutucar a Sony ao dizer que o PlayStation 4 é um console com o poder equivalente ao de um PC de cinco anos atrás.

Em entrevista ao site Engadget, Josef Fares comentou um pouco sobre a capacidade do aparelho e não se mostrou nada impressionado com o que o hardware é capaz de oferecer. Ao mesmo tempo em que rodava uma demonstração do game no console, declarou que o PS4 não é tão poderoso quanto as pessoas imaginam. Na prática, para ele, é como se estivéssemos diante de um computador que teve seu auge em 2012 — ou seja, antes mesmo do próprio videogame ter sido lançado.

Segundo Fares, se os consoles fossem tão poderosos quanto os PCs são atualmente, os jogos que teríamos seriam muito diferentes. Isso porque os desenvolvedores demandam muito tempo e esforço para fazer com que seus jogos rodem nesses sistemas limitados. Assim, se todo esse empenho fosse destinado aos PCs, a qualidade dos jogos lançados seria bem melhor.

E, por mais polêmica que tenha sido a declaração, não há como negar que ele está certo. Na verdade, essa discrepância entre consoles e PCs é algo sempre foi muito apontado por toda a indústria, principalmente pela capacidade mais dinâmica de evolução dos computadores. É muito mais fácil programar para esse tipo de sistema, além de contar com toda a facilidade modular para fazer melhorias no hardware. Isso é algo que os consoles ainda não são capazes de fazer — e que, aparentemente, nem é do interesse das fabricantes.

Tanto o PS4 quanto o Xbox One caminham para o seu quarto aniversário. E as configurações são exatamente as mesmas de quando eles chegaram ao mercado, em 2013, o que obviamente vai limitar drasticamente aquilo que os produtores de conteúdo podem fazer. Até mesmo iniciativas de reduzir o tempo do ciclo de vida do console não foi muito eficiente, pois já existem várias críticas quanto ao desempenho tanto do PS4 Pro quanto do recém-revelado Xbox One X, principalmente em termos de processador.

Diante disso, as críticas feitas pelo criador de A Way Out fazem todo o sentido. O PC sempre vai ser melhor que o console em termos de desempenho. É inegável. Porém, ao mesmo tempo, os videogames contam com uma série de outras vantagens que ajudam a equilibrar a balança, seja na hora de criar um ecossistema melhor estabelecido ou mesmo de ser algo mais prático e amigável para o usuário comum.

Via: Engadget