Pesquisadores nos EUA criam "sutura inteligente" que envia dados via wireless

Por Redação | 21 de Julho de 2016 às 23h00
photo_camera Tufts University

A proximidade da tecnologia com a área da saúde tem se mostrado cada vez maior. Diferentes formas de integrar elementos tecnológicos a cuidados médicos e de saúde têm sido inventadas e implementadas, como o caso da tatuagem eletrônica que injeta remédios e também monitora a saúde. É tecnologia, mas não fica só nisso.

Outro caso acaba de ser produzido por pesquisadores da Universidade Tufts, em Massachusetts, Estados Unidos. Trata-se de um fio "inteligente" utilizado para fazer suturas. O fio possui nanosensores e microfluidos que ajudariam a fornecer informações sobre o tratamento médico. Ele pode ser feito tanto de algodão quanto de tecido sintético, e de acordo com comunicado da própria Universidade, esta é a primeira vez que pesquisadores conseguem este tipo de façanha em escala nano.

A sutura realizada utilizando este novo fio pode providenciar dados diagnósticos via wireless em tempo real, segundo artigo publicado no periódico "Microsystems and Nanoengeneering". Para construir o fio, os pesquisadores usaram algodão cru e o revestiram com nanotubos de carbono (chamados de CNT em inglês), que depois foram mergulhados em um composto químico e físico de sensoreamento que foi conectado a um circuito wireless eletrônico que criou uma plataforma flexível, posteriormente testada em ratos e também em suturas in vitro.

Sutura Inteligente

Esta conexão eletrônica com sistema wireless foi o que possibilitou a coleta de informação sobre a saúde dos tecidos suturados. Com a sutura, recolheu-se dados sobre pressão, estresse, tensão e temperatura no tecido, assim como cálculos dos níveis de pH e glicose, dados estes que podem ser usados para determinar como os tecidos se curam ou como infecções são formadas, por exemplo.

Apesar de estarem cientes de mais estudos, como por exemplo, testando a biocompatibilidade em longo prazo, os pesquisadores apontam que os resultados iniciais aumentam as chances de otimizar o tratamento específico de pacientes.

Fio Inteligente

"Nós achamos que este tipo de dispositivo com base em fios pode potencialmente ser usado como sutura inteligente em implantes cirúrgicos, curativos que possam monitorar a cura de ferimentos ou integrados com tecidos personalizados que monitoram a saúde", disse Sameer Sonkunsale, um dos autores do artigo e diretor no Department of Electrical and Computer Engeneering, da Escola de Engenharia da Tufts.

Geralmente, estruturas implantáveis como estas são caras e precisam de um processo muito especializado. No entanto, Pooria Mostafalu, PhD, ex estudante de doutorado na Tufts e também um dos autores do artigo, aponta que os fios são "baratos, abundantes, finos e flexíveis, e podem ser facilmente manipulados em formas complexas". Mostafalu atualmente faz pós-doutorado na divisão Harvard-MIT de Saúde, Ciência e Tecnologia.

Fonte: Spectrum

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.