Pentágono cancela contrato bilionário de nuvem disputado por Microsoft e Amazon

Pentágono cancela contrato bilionário de nuvem disputado por Microsoft e Amazon

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 07 de Julho de 2021 às 15h40
Envato/twenty20photos

O contrato de computação em nuvem vencido pela Microsoft em 2019 para atender o Pentágono vai ser cancelado. O órgão anunciou a decisão na terça-feira (6) e o projeto Jedi (sigla para Joint Enterprise Defense Infrastructure), avaliado em US$ 10 bilhões em 10 anos, agora deixa de existir.

O projeto inicial foi criado para consolidar as capacidades de computação do Pentágono e permitir que o órgão pudesse armazenar e processar grandes quantidades de dados confidenciais, bem como compartilhá-los de forma segura. Além disso, outro objetivo era expandir o uso de inteligência artificial no Departamento de Defesa.“Com a mudança no ambiente de tecnologia, o contrato Jedi Cloud não atende mais aos requisitos", diz um comunicado do Pentágono.

Imagem: Reprodução/Envato/byrdyak

Depois que a Microsoft foi escolhida como parceira comercial pela entidade para implementar o sistema no Departamento de Defesa, a Amazon processou o governo americano. A alegação foi que a seleção foi baseada em "parcialidade sistemática, má-fé e influência indevida" de Donald Trump, o ex-presidente dos EUA.

A expectativa inicial era que a Amazon vencesse a disputa, já que sua Amazon Web Services (AWS) lidera esse mercado. Com o pedido da empresa na Justiça, a viabilidade do contrato foi afetada. O cancelamento vem um ano depois de a Justiça americana determinar que o projeto devia ser paralisado. Essa decisão deve atrasar ainda mais a chegada das capacidades de computação em nuvem para as tropas, que já esperam há anos pela tecnologia.

Novo projeto

O novo projeto do órgão deve se chamar JWCC (sigla para Joint Warfighter Cloud Capability) — que é bem menos glamusoso que Jedi. O Pentágono pretende ter mais de um fornecedor no programa. Desta vez, não haverá uma licitação pública: a entidade deve pedir propostas diretamente à Microsoft e à AWS, tida como as únicas capazes de atender aos requisitos. “É provável que haja uma parceria conjunta entre elas”, avalia John Sherman, CIO interino do Departamento de Defesa.

A Amazon comemora a decisão. Agora, sua maior concorrente, a Microsoft, provavelmente não será a única fornecedora do Departamento de Defesa. Empresas como Google e Oracle devem ser estudadas pelo Pentágono para saber se têm condições de participar do processo.

Fonte: Politico, Exame

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.