O que sua empresa deve realmente enviar para a nuvem?

Por Redação

As organizações de pequeno porte enfrentam um grande dilema na hora de migrar para a nuvem: como decidir o que vai para a cloud e o que fica "em casa"? É preciso considerar uma série de fatores, como a quantidade de dados armazenados pela empresa, questões de segurança e a maneira como será feita a migração.

Para ajudar as PMEs nesse desafio, a Jitscale, fornecedora de gerenciamento de infraestrutura de nuvem, recentemente lançou o chamado "Cloud Migration Guide" ("Guia de Migração para a Nuvem"). O guia contém alguns conselhos sobre se as empresas devem ou não enviar as funções vitais do seu departamento de TI para a nuvem.

Eelco van Beek, vice-presidente executivo da Jitscale, disse por meio de um comunicado à imprensa que "muitas vezes as PMEs têm dúvidas sobre a nuvem e como elas podem se beneficiar com seu uso". Para ajudar a identificar quais aplicações e tipos de dados devem ser levados para a nuvem e quais devem permanecer sob a asa da empresa, a Jitscale compilou sete principais perguntas que as PMEs devem responder.

1. A sua organização classifica os dados em categorias, como "confidencial" ou "secreto", e essas classificações proíbem esses dados de serem colocados em uma infraestrutura compartilhada ou terceirizada?

Funciona da seguinte forma: se algo é classificado como confidencial ou secreto, ele precisa cumprir com as políticas da sua empresa em relação a tais classificações. Por exemplo, se a sua política de segurança proíbe que informações consideradas confidenciais fiquem alocadas fora da empresa, você não deve mover esses dados para a nuvem.

2. Existem quaisquer obrigações regulamentares ou contratuais sobre armazenar dados em uma jurisdição específica?

Individualmente, países e estados possuem diferentes leis que regem a forma como os dados são armazenados, de acordo com a Jitscale. Essa questão é especialmente importante para os conjuntos de dados que contenham informações sensíveis ou que levantem preocupações com a privacidade. Certifique-se de que você sabe onde os data centers estão localizados e quais são as regulamentações sobre armazenamento de dados que os regem.

Por exemplo, o relatório cita que o armazenamento de dados em data centers nos Estados Unidos pode tornar possível para o governo norte-americano acessar suas informações usando as regulamentações do Patriot Act – uma lei do Congresso que, entre outras ações, facilitou a obtenção de informações por agências de inteligência norte-americanas sobre indivíduos ou empresas.

3. Alguma aplicação depende de outras aplicações ou requer hardware especializado para funcionar?

Algumas aplicações requerem outras aplicações ou hardware especializado para funcionar. Para aqueles que o fazem, certifique-se de que esses aplicativos e/ou hardwares podem ir com eles para a nuvem ou se podem funcionar em separado.

4. Suas aplicações estão hospedados em ativos subutilizados?

Se um aplicativo ocupa apenas uma pequena fração do espaço de um servidor local, migrar esse aplicativo para a nuvem irá liberar o servidor atual para outros fins – o que pode até mesmo poupar dinheiro e eliminar custos operacionais.

5. Existe alguma licença restritiva nas aplicações utilizadas atualmente que proíbe que elas sejam executadas na nuvem?

Nem todos os desenvolvedores e vendedores querem que seus softwares sejam implantados na nuvem. Antes de migrar suas aplicações, reveja suas licenças e verifique com seus fornecedores se eles oferecem suporte para as aplicações que forem armazenadas na nuvem. Se a resposta for não, então elas devem permanecer onde estão: em casa. No entanto, o relatório da Jitscale destaca que essa pode ser uma boa oportunidade para experimentar novos fornecedores que possuem uma gama maior de suporte para tecnologias emergentes.

6. Será que alguma de suas aplicações empresariais tem uma necessidade imediata de expandir? Elas estão ficando sem capacidade de rodar?

Aplicações que requerem mais capacidade ou flexibilidade estão prontas para a nuvem. Essas aplicações que têm grandes momentos de pico de uso ou necessidade de expandir sua capacidade quando a carga de trabalho aumenta. Tais aplicações precisam de maior escalabilidade, o que torna a nuvem um ambiente ideal.

7. Existem aplicações que precisam ser lançadas em escala global?

Aplicações que têm alcance global precisam estar geograficamente perto do seu público-alvo, a fim de oferecer a melhor experiência para o usuário. Um exemplo disso são aplicações de marketing e publicidade, tais como sites e aplicativos móveis. Construir infraestruturas geograficamente dispersas para acomodar essas aplicações é um empreendimento caro. Em vez disso, a migração deles para nuvens já localizadas nessas regiões geográficas é uma alternativa de baixo custo.