O que fazer antes de partir para a nuvem?

Por Colaborador externo | 07.10.2014 às 16:00

Por Thoran Rodrigues*

Mover elementos da área de TI para a nuvem é uma tendência que pode trazer grandes economias de tempo e dinheiro para empresas de qualquer porte. Antes de fazer esse movimento, no entanto, é preciso estar atento a alguns pontos que podem impactar a sua experiência. Confira abaixo quatro dicas para aproveitar o máximo potencial das soluções virtuais:

Esqueça o conceito “meu servidor”

O grande diferencial da nuvem é o acesso rápido a um volume ilimitado de servidores. Para tirar proveito disso, é importante pensar nesses servidores como recursos independentes, que pegamos quando precisamos e largamos quando não são mais necessários. Não se deve pensar em um servidor na nuvem, virtual, como um substituto de um servidor local.

Monte uma arquitetura inteligente da aplicação

Uma arquitetura bem montada permite, por exemplo, aumentar a capacidade dos servidores utilizados em um momento de pico e reduzir essa capacidade nas horas de pouca utilização, reduzindo em 50% ou mais os custos de hospedagem. Ao mesmo tempo, uma arquitetura capaz de lidar com servidores que saem do ar a qualquer momento permite a utilização de servidores com um custo muito menor do que o de um servidor que está sempre disponível.

Reforce a segurança

A nuvem é quase sempre mais segura do que as máquinas tradicionais, mas apenas se houver gerenciamento adequado e sistemas de proteção adicionais aos aplicados nos servidores domésticos. Um servidor virtual com a senha “admin1234” com certeza vai ser hackeado em alguns minutos após ser colocado no ar. Mesmo com um ambiente mais seguro, não devemos relaxar a nossa preocupação com segurança.

Conheça a regulamentação e a legislação

Dependendo de como é e de onde vem a informação, é necessário verificar as restrições e estar ciente das leis que regem seu armazenamento e trânsito. O próprio Brasil possui algumas regras que restringem a transferência de dados para outros países ou datacenters internacionais, então é importante saber quais são e como se aplicam.

*Thoran Rodrigues é CEO da BigData Corp, empresa especializada em soluções de Big Data.