Nuvem pessoal: uma nuvem para chamar de sua

Por Redação | 21.01.2013 às 07:20

A facilidade de acessar seus arquivos digitais que estão localizados na segurança e aconchego do seu lar por meio de qualquer dispositivo móvel, como smartphones e tablets, já é considerada tendência por especialistas. Mas você sabe como funciona a chamada 'nuvem pessoal'?

A possibilidade de ter uma capacidade de armazenamento de informações gigantesca e com acesso remoto é realmente encantadora, mas, apesar de já possuir muitos adeptos pelo mundo, a computação em nuvem ainda gera algumas dúvidas em alguns usuários.

[Vídeo] O que é Computação na Nuvem?

Os mais receosos ficam pensando na possibilidade de seus dados estarem armazenados em servidores do outro lado do mundo, e também existem aqueles que acreditam que tudo o que é mandado para uma nuvem pública pode ser usado contra você no tribunal, ou (o mais provável) em perfis de marketing que serão posteriormente vendidos para empresas de publicidade. Mas fato é que os internautas já utilizam serviços de nuvem há anos, mesmo sem perceber. Seja por serviços de email, rede social ou serviços bancários online, por exemplo.

Mas afinal... Como funciona uma nuvem pessoal?

A nuvem pessoal surge como uma alternativa para esses usuários que desejam usufruir dos benefícios da cloud, mas sem colocar em risco a segurança e privacidade de seus dados. Trata-se de uma peça de hardware que funciona junto com o roteador sem fio que, quando configurado, salva automaticamente os dados do desktop, tablets, smartphones e consoles em uma nuvem doméstica. Os dados podem ser acessados por qualquer dispositivo na rede sem fio - como smartphone, tablet ou notebook - e fora da rede por meio de aplicativos móveis.

Nuvem pessoal

De certa maneira, é como se o usuário conseguisse acessar todo o conteúdo de seu HD externo, mas sem estar com o dispositivo em mãos. Além disso, é uma boa maneira de compartilhar arquivos mais pesados - como fotos, vídeo e filmes - com os membros da sua família, por exemplo. Os mais esquecidos também podem ficar mais tranquilos, afinal a tecnologia centraliza o armazenamento e backup para vários computadores de uma só vez.

Os analistas do Gartner, por exemplo, já disseram no ano passado que a nuvem pessoal vai substituir o computador pessoal como o centro da vida digital dos usuários em 2014, o que não parece tão espantoso se pensarmos nos benefícios que o sistema pode trazer.

Há quem acredite que a nuvem pessoal começará uma nova era que fornecerá aos usuários um novo nível de flexibilidade com os dispositivos que eles usam para as atividades diárias, aproveitando os pontos fortes de cada dispositivo.

Gostou da ideia? No Brasil, é possível encontrar opções de equipamentos que criam nuvem pessoal por cerca de R$ 500.