Computação em nuvem é muito usada, mas os usuários ainda sabem pouco sobre ela

Por Redação | 09 de Novembro de 2012 às 09h05

A computação em nuvem já está presente no nosso dia a dia há algum tempo, mas isso não quer dizer necessariamente que as pessoas saibam que ela está lá, ou muito menos o que exatamente ela é.

Um bom exemplo disso são os norte-americanos. Quando questionados, 97% deles afirmaram utilizar algum canal eletrônico que é baseado na nuvem, mas ao tentar explicar o que achavam sobre a tal cloud, 30% deles disseram se tratar de "algo branco e fofo".

Mas e no Brasil, a quantas anda o conhecimento da população em relação a essa solução de armazenamento? Recentemente, a Parallels entrevistou cerca de 400 empresas nacionais e descobriu que apenas 6% delas fazem uso da nuvem como infraestrutura pra seus próprios serviços.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Luis Schedel, cofundador e CTO da Websolute, diz que a maior causa de desmotivação dessas companhias em aderir à nuvem é a falta de informação sobre o quão fácil é adotar essa tecnologia. Ele também acredita que elas não estão cientes das vantagens de seu uso em comparação à montagem de estruturas de redes físicas.

Em contrapartida à opinião de Schedel, os entrevistados elegeram os seguintes motivos para não aderirem à nuvem: o preço, a vulnerabilidade e a falta de compatibilidade com a estrutura interna já existente. Na verdade, o que ainda existe é um certo preconceito devido à falta de conhecimento a respeito do serviço.

"Hoje, você contrata um servidor na nuvem a partir de R$ 69,00 mensais – valor compatível com o da prestação de um equipamento, mas sem o ônus da manutenção e da obsolescência", afirma o executivo da Websolute.

Em relação à segurança, os data centers que abrigam os servidores na nuvem possuem um índice de segurança médio de 99%, principalmente em relação a panes causadas por eventuais desastres naturais (fogo, enchentes e raios).

"O mercado de serviços na nuvem já movimenta mais de US$ 1 trilhão, mas isto é apenas o começo. A explosão dos negócios da área depende ainda de maior disseminação do conceito, principalmente entre pequenas e médias empresas. O papel de desmistificar os 'perigos' do cloud computing é nosso, de todos os provedores que estão empenhados em modificar esse atual cenário", finaliza Luís Schedel.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.