Tinder diz que menos de 2% dos seus usuários são comprometidos

Por Redação | 13 de Agosto de 2015 às 11h43

Em meio aos programas criados para as pessoas encontrarem um par, alguns deles são usados até mesmo por pessoas comprometidas. E essa também é uma realidade no Tinder, aplicativo que vem fazendo bastante sucesso desde o seu lançamento em 2013.

Mas ao contrário do que muitos pensam, o app divulgou nesta terça-feira (11) que 1,7% dos seus usuários são casados. O Tinder também afirma que o serviço não promove a destruição de casamentos e vem criando conexões "significativas".

O anúncio foi feito no perfil oficial do aplicativo no Twitter depois de uma reportagem da revista norte-americana Vanity Fair publicar que, com base em dados coletados pelo Global Web Index, 30% das pessoas que usam o Tinder são casadas.

Em mais de 30 tweets postados sobre o assunto, o Tinder também afirmou que a rede social cria experiências. "Nós criamos conexões que de outra forma nunca teriam sido feitas. Até agora, na verdade, oito bilhões delas foram feitas", diz um dos tweets.

O aplicativo ainda explicou que há pessoas interessadas somente em casos rápidos, assim como acontece na vida real, mas garante que a maioria dos seus usuários está procura destas conexões. A equipe comenta que já realizou uma pesquisa com 265 mil usuários.

O Tinder também acredita que há lugares no mundo onde o serviço é uma das poucas oportunidades disponíveis das pessoas expressarem suas sexualidades de maneira livre. Eles usam o Paquistão como exemplo, dizendo que as pessoas usam o aplicativo para encontrar relacionamentos gays, que são proibidos por lá. China e Coreia do Norte também serviram de exemplo, pois lá outras redes sociais são proibidas.

O serviço finaliza as informações dizendo que seus usuários fazem parte da "Geração Tinder".

Fonte: NBC, Vanity Fair