Reconhecimento facial: futuro da propaganda está nas expressões do consumidor

Por Redação | 13.08.2012 às 09:35

O universo da propaganda se renova constantemente para atrair novos clientes. Pesquisadores do Immersive Labs, nos Estados Unidos, afirmam que os anúncios ainda poderão ir além e, no futuro, eles serão baseados nas expressões faciais dos seus clientes.

Para isso, os pesquisadores do instituto desenvolveram um novo tipo de software para vitrines de lojas capaz de reconhecer a idade, o gênero e as preferências das pessoas que param diante da loja, gerando assim uma propaganda customizada baseada no perfil do consumidor.

"Adicionando uma webcam padrão, o software CARA permite fazer com que telas reajam ao público em tempo real. Em essência, isso faz com que vitrines comuns se tornem inteligentes, dando a estes anúncios físicos todos os benefícios de um anúncio online", afirmou o laboratório em sua página oficial.

Anúncio interativo Immersive Labs

O sistema ainda permite fazer uma análise de mercado e do público consumidor

O sistema ainda permite que as empresas adicionem webcams em máquinas de venda e portas para captar a reação dos clientes ao seu anúncio. Além disso, o recurso permite que a companhia saiba mais sobre o envolvimento do usuário com o anúncio e seu tempo de permanência.

De acordo com o Singularity Hub, o programa ainda pode alternar os anúncios com apenas um piscar de olhos para aquele que o sistema considera mais interessante para o cliente. Outro recurso muito importante para as empresas é a possibilidade de realizar pesquisas de mercado com base no envolvimento dos consumidores com os anúncios inteligentes.

O grupo de caridade britânico Plan disponibilizou uma propaganda utilizando o software em um ponto de ônibus. A campanha, intitulada 'Porque sou uma garota', apresentava um vídeo de 40 segundos para as mulheres que paravam diante do outdoor, porém, os homens que passavam pelo local visualizavam apenas o site da organização.

Segundo o The Verge, a nova geração do sistema poderia também reconhecer se o cliente está feliz, doente ou triste e apresentar a melhor propaganda para o seu estado de espírito.

Recursos similares já são utilizados em máquinas de vendas e televisores tanto no Japão como nos Estados Unidos. Pequenas câmeras ou até mesmo o Kinect, da Microsoft, instalados em televisores são capazes de reconhecer as expressões faciais do usuário e determinar o que ele gostaria de ver.

A introdução de sistemas de reconhecimento, que permitem que o usuário seja identificado em poucos minutos, ainda terá que enfrentar a aprovação social quanto às questões de privacidade.

Confira abaixo um vídeo demonstrativo do software da Immersive Labs: