Estudo: adolescentes estão viciados em pornografia e precisam de ajuda

Por Redação | 30 de Setembro de 2013 às 16h55

Um em cada cinco meninos com idades entre 16 e 20 anos disseram à University of East London que eram "dependentes de pornografia como um estimulante para o sexo real".

A universidade entrevistou 177 estudantes para um estudo e descobriu que 97% dos rapazes já haviam visto pornografia online. Destes rapazes, 23% disseram que tentaram parar de ver esse tipo de conteúdo, mas não conseguiram, enquanto 13% relataram que o conteúdo que eles assistem se tornou "cada vez mais extremo", conforme relata o britânico Telegraph. Dos entrevistados que assumiram ver pornografia, 7% disseram que queriam ajuda profissional para superar o hábito que eles consideraram estar fora de controle.

A maioria desses jovens disse que teve relações que acabaram devido a isso, parceiros foram negligenciados, e alguns tiveram vida social reduzida, tudo como resultado de seu vício comportamental. A Doutora Amanda Roberts, professora de psicologia da universidade que criou o estudo, disse que "cerca de 25% dos meninos já tentaram parar de acessar [pornografia] e não conseguiram, o que significa que o uso de pornografia por este grupo definitivamente se tornou problemático. Isso porque há cada vez mais exposição excessiva de pornografia, está em toda parte".

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

Ela disse ainda que os resultados da pesquisa eram preocupantes e falou sobre os efeitos que isso terá sobre os jovens. "Ele [material pornográfico] é muito prejudicial para a autoestima, porque nem todas as pessoas são daquela maneira, e eles então esperam que as meninas se pareçam e tenham atitudes semelhantes às de estrelas pornô".

O professor Matt Field, que atua como psicólogo de vícios adolescentes na Universidade de Liverpool, acrescentou: "Os adolescentes são particularmente vulneráveis ao desenvolvimento de vícios e isso acontece devido à forma como seus cérebros estão se desenvolvendo".

Ele explicou que os seres humanos têm uma espécie de "centro de recompensa" no cérebro que se desenvolve rapidamente em adolescentes e os torna sensíveis às tentações que induzem ao prazer, como a pornografia. Porém, a parte do cérebro que é responsável pelo autocontrole não amadurece até que um adulto atinja seus vinte e poucos anos, tornando mais difícil para os adolescentes suprimir seus impulsos. "Pornografia ainda é uma das palavras mais procuradas na internet. Antes eram DVDs e revistas ou sites de softcore, mas agora é tudo muito hardcore e é gratuito online", acrescenta o professor.

O estudo também descobriu que 80% das garotas com idades entre 16 e 20 anos já viram pornografia. Dessas, 8% disseram que não conseguiam parar de ver esse tipo de conteúdo, enquanto 10% disseram que o conteúdo que elas assistem tem se tornado mais extremo. Enquanto os meninos assistem principalmente pelo prazer, as meninas assistem pornô por curiosidade ou para aprendizagem e pela descoberta.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.