Debate: Geração Y e privacidade online

Por Redação | 14.01.2013 às 08:50

Um dos palcos da CES 2013 reuniu um grupo de jovens adultos para compartilhar seus pensamentos sobre a questão da privacidade no mundo virtual: como a Geração Y se relaciona com as mídias digitais?

Os participantes, com idade entre 18 e 28 anos, conversaram com o moderador do debate, Xavier Kochhar, e também com o público, sobre suas atitudes e preferências nas mídias sociais. Eles se mostraram conscientes em relação ao excesso de exposição nas redes sociais, mas também disseram que "nós vivemos em público", conforme ressalta o CNET.

Darius, um designer de moda de 22 anos de idade, disse que usa o Twitter como terapia e que esperava que as pessoas fossem mais conscientes em relação ao uso desse tipo de ferramenta. Em geral, todos os participantes compartilharam da mesma opinião, inclusive chamando a atenção para a questão da importância do bom uso das configurações de privacidade.

Leia também: Proteja-se dos bisbilhoteiros online evitando o "oversharing"

"Eu tenho que me filtrar", resume Jordan, uma estudante de 20 anos. A maior preocupação dela é com a imagem errada que certas marcações ou check-ins podem passar para empregadores e outros colegas da rede. O debate fluía pelo assunto das configurações de privacidade do Facebook, onde todos concordaram que o melhor a fazer é utilizá-las da melhor maneira possível, mas logo se desviou para o Instagram.

Painel da Geração Y CES 2013

Imagem: CNET

Recentemente, a empresa adquirida pelo Facebook foi alvo de muita polêmica ao mudar suas configurações de privacidade e termos de uso. Embora todos os participantes do painel estivessem cientes do alvoroço em torno do assunto, a maioria parecia não saber que o Instagram voltou atrás e desistiu de modificar suas regras de uso.

O grupo ficou divido entre aqueles que se indignaram com a possibilidade da rede social vender as fotos de seus usuários, e aqueles que tinham a mente mais aberta a respeito do assunto. "Eu ri de pessoas que disseram que iam parar de usar [o Instagram] porque eles ainda estão usando hoje", posicionou-se Jordan.

Quando o assunto se voltou para a questão da publicidade e da relação entre marcas e consumidores, a maioria demonstrou que acompanha ativamente suas marcas prediletas nas mídias sociais, principalmente porque gostam de suas fotos, atualizações de status, tweets e, claro, suas promoções.

Por outro lado, eles também fizeram questão de deixar bem claro que não hesitam na hora de realizar reclamações nas fan pages quando têm algum problema com seus produtos ou serviços. Eles também esperam que a empresa lhes dê uma resposta em menos de 30 minutos. Em suma, eles transpareceram bem o que a geração Y tem feito nas redes sociais e como tem agido em relação a elas.