Cibercrime rompe a barreira de 1 milhão de malware por dia

Por André Carraretto RSS

hacker

O cibercrime atingiu uma marca histórica: mais de um milhão de peças de malware - especificamente 1,179 milhão - foram criadas ao dia em 2015, resultando em 430,5 milhões de ocorrências. Isso representa uma alta de 35% frente aos 317 milhões do ano anterior, segundo o Internet Threat Security Report (ISTR 2016), estudo anual da Symantec que faz uma leitura sobre as ameaças da internet.

Entre os milhares de casos, dois modelos chamaram a atenção, seja por seu crescimento exponencial, seja pelo caráter inovador: o ransomware e as ameaças de mídias sociais.

Falando de ransomware, modalidade que sequestra acesso à aplicação ou dispositivo e só libera quando o usuário paga um resgate, o destaque foi para a tipo cripto-ransomware, que retém dados, totalizando quase mil ataques por dia. No total, foram 362 mil ataques em 2015, o que representa um avanço de 35% frente as 269 mil ocorrências do ano anterior.

O ransomware existe desde 2005, mas praticamente desapareceu em 2006. Em 2013, começou a retomar o fôlego no cenário de ciberameaças, atingindo seu auge em 2015 graças à popularização das bitcoins, ou moeda virtual aceita globalmente. Por ser ilegal, o pagamento desses resgates deve ser feito de forma não rastreável. Em suas primeiras ocorrências, o ransomware era pago mediante cartões pré-pagos (MoneyPak, UKash, entre outros) muito populares na Europa, mas praticamente inexistentes ao redor do mundo, o que dificultava sua "globalização". Agora, com bitcoin, não há mais fronteira para esse tipo de malware, que deve continuar em ascensão nos próximos anos.

Abaixo, o ranking por ocorrências de ransomware na América Latina, segundo o ISTR 2016.

Ranking AL Ranking Global País Ataques ao dia (média)
1 22 Brasil 72
2 25 México 66
3 52 Peru 14
4 60 Argentina 9
5 64 Chile 7

Fonte: ISTR 2016

O social media scan, ou ataque via redes sociais, também ganhou destaque no último ano. O México ficou em primeiro lugar no ranking de países da América Latina que mais sofreram esse tipo de ameaça:

Ranking AL País

Ocorrências em relação à média global

Compartilhamento de vírus (manual sharing)

Ofertas falsas
1 México 3,95% 10,95% 51,40%
2 Brasil 2,8% 71,60% 9,37%
3 Colômbia 1,66% 13,77% 80,83%
4 Peru 1,24% 21,49% 70,53%
5 Argentina  0,81% 20,71% 70,17%

Fonte: ISTR 2016

Vemos comportamentos diferentes de um país para outro. No Brasil, o modelo mais comum de ataque é o manual sharing, ou compartilhamento não-intencional de vírus. Funciona assim: para ler determinada notícia (normalmente, muito chamativa e completamente falsa), o usuário é obrigado a, primeiramente, aceitar um termo do site que obriga o compartilhamento daquele conteúdo em seus perfis sociais. Quando aceita, é forçado, muitas vezes sem perceber, a instalar um software malicioso, que infecta sua máquina. Ele passa, então, a ser um vetor de vírus, compartilhando conteúdos contaminados em suas timelines.

Nos demais países da América Latina, o destaque foi para as falas promoções, ou fake offers, com uma média de 70% das ocorrências na Colômbia, Peru e Argentina, 51% no México e, a título comparativo, apenas 9,3% no Brasil.

Proteger-se virou fator de urgência, tanto para pessoas físicas quanto pessoas jurídicas.

Assine nosso canal e saiba mais sobre tecnologia!

André Carrareto é especialista em segurança da informação

Leia a Seguir

Comentários

Newsletter Canaltech

Receba nossas notícias por e-mail e fique
por dentro do mundo da tecnologia!

Baixe já nosso app Fechar

Novidade

Extensão Canaltech

Agora você pode ficar por dentro de todas as notícias, vídeos e podcasts produzidos pelo Canaltech.

Receba notificações e pesquise em nosso site diretamente de sua barra de ferramentas.

Adicionar ao Chrome