Rede de cinemas volta atrás e diz que não vai permitir celulares nas sessões

Por Redação | 15 de Abril de 2016 às 13h56

Nesta semana, Adam Aron, o CEO da rede norte-americana de cinemas AMC, disse que a companhia estava pensando em se adaptar ao mundo moderno e, para isso, poderia passar a permitir o uso de celulares durante a exibição de filmes.

A declaração desagradou muita gente, e não demorou até que a empresa voltasse atrás para acalmar os ânimos de seus clientes. Por meio de um comunicado oficial emitido nesta sexta-feira (15), Aron disse que ouviu a opinião das pessoas e que o uso de celulares não será permitido em nenhum cinema da rede AMC, "nem hoje, nem amanhã, e nem em um futuro previsível".

Em vez disso, a empresa vai se concentrar em investir seu dinheiro em melhorias das salas de cinema da rede e em sistemas para criar uma melhor experiência para os espectadores, fazendo assim com que os jovens deixem de lado as pequenas telas dos smartphones durante algumas horas para concentrar-se nas telonas.

A AMC é uma das maiores redes de cinema do mundo, portanto, a declaração de Aron teve grande repercussão. Durante uma entrevista, ele disse que a companhia poderia criar salas especiais, para aqueles que não conseguem se desgrudar dos dispositivo móveis nem na hora de ir ao cinema.

A justifica era de que o público mais jovem estava abandonando a experiência de ir até o cinema, e a liberação poderia ajudar a resgatar a famosa geração Millenium. "Quando você pede a um cara de 22 anos para desligar o telefone, ele ouve 'por favor, corte o seu braço esquerdo acima do cotovelo'. Você não pode pedir que um cara de 22 anos desligue seu telefone", disse Aron na ocasião.

Fonte: AMC Theatres