Qual o futuro do universo mutante nas mãos da Fox?

Por Gustavo Rodrigues | 02 de Março de 2016 às 11h15

Deadpool foi um sucesso muito maior do que a Fox esperava para o filme do anti-herói e ultrapassou as bilheterias dos longas dos X-Men nos Estados Unidos com grande facilidade, mesmo tendo classificação indicativa mais restritiva. Agora, o estúdio se prepara para lançar X-Men: Apocalipse e fechar a segunda trilogia dos mutantes nos cinemas. Mas, com o adiamento de Gambit, quais são os próximos passos que a empresa tem para aproveitar as tramas envolvendo o Gene-X?

Ryan Reynolds deve começar a pensar em novas possibilidades para a sequência de Deadpool e ver o que a Fox planeja para ampliar o personagem no universo mutante. Afinal, de agora em diante o Mercenário Tagarela vai ser muito mais requisitado pelo estúdio. Os problemas na pré-produção do filme do Gambit e o sucesso de bilheteria do anti-herói desbocado mostram que o caminho é apostar no que se mostrou uma fonte segura de dinheiro, não no duvidoso ladrão mutante interpretado por Channing Tatum.

Professor X

X-Men: Apocalipse, que será lançado em 19 de maio, ainda fechará um ciclo, assim encerrando as participações de Michael Fassbender (Magneto), Jennifer Lawrence (Mística), James McAvoy (Professor X) e Nicholas Hoult (Fera). O quarteto principal sai dos holofotes e deixa a nova geração de mutantes representarem o futuro dos X-Men no cinema. Sophie Turner (Jean Grey), Tye Sheridan (Ciclope) e Alexandra Shipp (Tempestade) devem se tornar o foco das próximas histórias. O problema é em que ponto cronológico histórico o filme seguinte ocorreria, já que Primeira Classe se passa nos anos 60, Dias de Um Futuro Esquecido 70 e Apocalipse 80. Esse pulo de década já rende furos na história da franquia.

Além disso, o próprio vilão Apocalipse (Oscar Isaac) pode se tornar elemento base para as tramas, assim como Magneto foi fundamental até agora. Como o mutante egípcio é um perigo constante tanto no presente como no futuro e até em realidades paralelas, essa pode ser a ponte que a Fox precisa para levar os X-Men a novas tramas. Outros personagens importantes apresentados são Psylocke (Olivia Munn) e Arcanjo (Ben Hardy). A ninja telecinética ganhou relevância nas páginas da Marvel Comics nos anos 80 e nos últimos arcos da X-Force, que eram centrados no Apocalipse, e é interesse romântico do mutante alado, anteriormente Anjo, que é membro fundador da equipe.

Cable e Deadpool

Contudo, nada parece mais propício para o novo universo mutante nos cinemas do que Cable. Ele é filho de Ciclope e Madelyne Prior, clone de Jean Grey, tem envolvimento com viagens no tempo, já foi membro da X-Force, comandou ex-Novos Mutantes e, principalmente, é amigo do Deadpool - o que lhe renderá presença no segundo longa do anti-herói. O personagem é capaz de fazer todos os elos com o que a Fox já criou e pretende estabelecer para a franquia. Ele ainda pode ocupar o posto de protagonismo do Wolverine, que terá sua última participação no seu terceiro filme próprio - inspirado na série Old Man Logan.

A Fox ainda tem muito para produzir com base no universo mutante, seja nos longas dos X-Men, nas equipes menos famosas ou com o Mercenário Tagarela que conquistou o mundo. O que mostra que a Marvel Studios pode até sonhar, mas vai demorar bastante tempo para readquirir os direitos destes personagens de volta. Quem sabe, talvez, recupere o Quarteto Fantástico, mas os homo superior só num futuro bem distante.