Produtora de Harvey Weinstein abre pedido de falência

Por Felipe Demartini | 27 de Fevereiro de 2018 às 10h35

Caíram por terra os planos de venda da produtora de cinema The Weinstein Co., e, agora, a única solução encontrada pela diretoria é um pedido de falência. Foi isso que os dirigentes da empresa anunciaram em uma carta aberta divulgada neste início de semana, na qual afirmam que a atitude é a única possível para “maximizar o valor restante” dos ativos da companhia.

No texto, os dirigentes da The Weinstein Co. atribuem a responsabilidade pelo fracasso do negócio diretamente aos investidores Maria Contreras-Sweet e Ron Burkle. A aquisição tinha um valor estimado em US$ 500 milhões, mas a refusa dos compradores na aceitação de alguns termos – como a injeção de capital preliminar para que a companhia se mantivesse de pé durante o processo – se provaram como os primeiros sinais de que a transação não ia adiante.

Para a mesa de diretores da produtora, essa recusa, juntamente com a dificuldade na aceitação de outros termos e discordâncias sobre os rumos posteriores da empresa, levaram os dirigentes a pularem fora. De salvação da lavoura, o processo de aquisição passou a soar, de acordo com a carta, como “um plano ilusório, que levaria a companhia a seu fim”.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A notícia sobre o pedido de falência vem menos de uma semana depois do encontro de Contreras-Sweet com o procurador-geral Eric Schneiderman, que no começo de fevereiro iniciou um processo contra a produtora por violações de direitos civis. A ação está relacionada às sucessivas acusações de abuso e assédio sexual contra o fundador da empresa, Harvey Weinstein, e tem como um de seus reflexos o bloqueio imediato de qualquer tentativa de venda ou fusão.

Foi justamente esse o assunto tratado pela investidora. Contreras-Sweet, que seria a responsável pela compra de 51% do controle acionário da The Weinstein Co., apresentou seus planos para composição de uma mesa de diretoria com maioria do gênero feminino, além da dedicação de parte dos fundos oriundos da venda para um fundo de combate ao assédio sexual na indústria de entretenimento.

Eventuais conclusões ou estratégias oriundas da reunião não foram divulgadas. Não se sabe, por exemplo, se a ideia de abandonar a negociação partiu da própria Contreras-Sweet ou de alguma exigência feita pelo procurador-geral. Rumores, entretanto, apontam que o oficial não ficou convencido, principalmente após revisar os documentos relacionados à venda e não ter enxergado de onde viriam os US$ 40 milhões que seriam dedicados à compensação de vítimas e projetos de conscientização sobre assédio.

Informações não confirmadas, por outro lado, apontam que a decisão de abandonar o processo de venda e optar pela falência veio diretamente da diretoria da produtora, o que inclui, também, o irmão de Harvey Weinstein, Bob Weinstein. No texto, os dirigentes afirmam não terem sentido firmeza da parte dos investidores não apenas no que toca o fluxo financeiro da produtora, mas também o compromisso com melhores práticas para evitar o assédio dentro da empresa.

No texto, a The Weinstein Co. afirma que Contreras-Sweet e os outros investidores apresentaram documentos incompletos, com conclusões rasas sobre o que seria feito para garantir que escândalos como os que derrubaram a companhia não aconteçam novamente. A todo momento, a carta cita os funcionários da empresa, que permaneceram com ela mesmo ao longo do furacão e, agora, merecem respeito.

Por fim, a diretoria diz lamentar que o negócio, que afirmou estar a dias de ser concluído, tenha que ser abandonado desta maneira. Enquanto isso, o pedido de falência já está sendo trabalhado pela empresa e deve ser apresentado o mais rapidamente possível, de forma a garantir o futuro e a saúde financeira da produtora.

Um dos maiores estúdios da indústria hollywoodiana, a The Weinstein Co. é responsável por longas com bilheterias explosivas e diversos prêmios. Em seu portfólio estão produções como Bastardos Inglórios, Django Livre e toda a obra de Quentin Tarantino, além de filmes consagrados como O Jogo da Imitação e O Discurso do Rei, entre dezenas de outros indicados e vencedores do Oscar.

Fonte: The Hollywod Reporter

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.