Os maiores acertos da Fox com os X-Men no cinema

Por Gustavo Rodrigues | 18.05.2016 às 20:27

X-Men: Apocalipse chega aos cinemas brasileiros em 19 de maio, por isso decidimos fazer uma lista com os maiores acertos cometidos pela 20th Century Fox para a franquia que encerra sua segunda trilogia de filmes. Ressaltamos as boas escolhas que o estúdio fez para os elencos, cenas marcantes dos longas, o melhor filme do universo mutante e o Mercenário Tagarela.

Elenco

Desde a primeira adaptação dos X-Men para o cinema, o elenco é um claro acerto. Patrick Stewart e Ian McKellen eram os principais alicerces de heroísmo e vilania da trama, sendo ambos capazes de render ótimos diálogos. Halle Berry e Hugh Jackman ganharam maior destaque em Hollywood após encarnarem Tempestade e Wolverine, respectivamente.

A segunda trilogia manteve a qualidade do elenco ao colocar um trio excelente de atores entre os nomes principais: James McAvoy, Michael Fassbender e Jennifer Lawrence. Os três já fizeram excelentes interpretações em diversas produções de Hollywood e mantém a qualidade ao interpretarem Professor Xavier, Magneto e Mística. Primeira Classe ainda tem Nicholas Hoult, Kevin Bacon e January Jones.

Visita à Família Drake

X2 é um dos melhores filmes da franquia e tem cenas memoráveis. Noturno atacando a Casa Branca, discurso dos X-Men ao presidente após a morte de Jean Grey e o descontrole de Pyro (Aaron Stanford). Antes do mutante manipulador de chamas mostrar todo o seu poder, Homem de Gelo (Shawn Ashmore) faz a revelação de que é um homo superior aos seus pais, o que resulta na revolta de seu irmão e na chegada da polícia.

Essa sequência sintetiza o ódio aos mutantes e como eles são vistos por grande parte dos humanos do Universo Marvel. Pyro ainda dá um dos discursos mais acalorados (desculpe-me, mas a piada se fez necessária aqui) em uma das cenas de ação mais emblemáticas da franquia.

Cenas de ação com Noturno, Blink e Mercúrio

Poderes que envolvem energia, raios ou apenas força sempre foram simples para a franquia mutante, afinal já estavam presentes desde o primeiro longa nas habilidades de Ciclope, Tempestade e Wolverine. Entretanto, dons que envolvem movimentação sempre foram encantadores nas telonas.

Em X2, a cena de introdução do filme apresenta Noturno (Alan Cumming) fazendo um ataque à Casa Branca. Na época, não havia tantos trailers, então aquela abertura com os movimentos rápidos de Kurt Wagner contra os seguranças da presidência tornava os minutos iniciais da adaptação eletrizante.

Dias de um Futuro Esquecido voltaria a trazer excelentes cenas de ação à franquia com o ataque das Sentinelas aos X-Men do futuro. Quem chama atenção é uma personagem pouco conhecida do público: Blink (Bingbing Fan). Com suas habilidades que criam vários portais interdimensionais, a mutante mostra que é capaz de salvar a equipe e contra-atacar seus oponentes.

Apesar dos ótimos momentos de Clarice Ferguson, Dias de Um Futuro Esquecido é facilmente lembrado pela cena que Mercúrio (Evan Peters) ajuda Wolverine e Professor Xavier no resgate de Magneto. Bryan Singer coloca o velocista vendo o mundo em câmera lenta enquanto se delicia com as formas que pode derrotar os guardas e proteger seus aliados.

X-Men: Primeira Classe

Quando não se esperava mais nenhuma produção boa da franquia mutante, principalmente depois de Confronto Final e Origens, Primeira Classe foi uma grande surpresa por causa da sua notória qualidade. O longa reintroduzia os mutantes nos anos 60 com um elenco totalmente novo e abraçava uma versão mais dramática dos personagens.

Mística sofre para aceitar sua estética verdadeira, Fera não vê os homo superior deformados com naturalidade, os novos mutantes sofrem bullying dos seguranças e nações se aliam para atacar Charles Xavier, Magneto e Sebastian Shaw, etc.

Ao contrário da primeira trilogia, Bryan Singer é apenas o produtor do longa, enquanto Matthew Vaughn dirige o que parecia o reboot da franquia. Hoje, Primeira Classe é considerado por muitos como o melhor filme da franquia, afinal ele consegue misturar ótimos elementos dramáticos com uma excelente construção dos personagens.

Deadpool

Nada surpreende mais a 20th Century Fox do que o sucesso de Deadpool. Para uma produção que teve um orçamento de US$58 milhões e classificação indicativa para maiores de 18 anos, a adaptação do Mercenário Tagarela deve se transformar no que vai nortear o estúdio daqui pra frente após arrecadar US$ 762 milhões mundialmente.

Ryan Reynolds e Tim Miller transformaram um dos produtos mais desacreditados da indústria em uma das maiores fórmulas de sucesso de um subgênero que se torna cada vez mais saturado. O reflexo disso são os estúdios de Hollywood cogitando mais filmes para maiores de 18 anos, mesmo que a fidelidade à obra original tenha sido o que fez a produção funcionar tão bem.

A Fox já deve estar pensando qual é a melhor forma de inserir o personagem o máximo possível no universo mutante, seja com pequenas aparições dele nos próximos filmes ou criando um vinculo maior entre as produções, provavelmente apresentando Cable em adaptações dos Novos Mutantes e X-Force.

Concorda que a Fox acertou com estes aspectos da franquia X-Men no cinemas? Considera algum deles um erro? Acha que algo mais precisava ser ressaltado? Conte para a gente nos comentários.