Fãs criam grupos que ensinam a verdadeira arte de ser um Jedi

Por Redação | 28.07.2015 às 11:26

Você pode até ser um grande fã de Star Wars, mas dificilmente será um Jedi. Afinal, a série de filmes ganhou uma importância tão grande que muita gente decidiu levar a sério a filosofia e o estilo de vida de personagens como Yoda, Obi-Wan e Luke Skywalker, trazendo um pouco disso para o seu cotidiano. E não estamos falando apenas dos cosplayers, mas de toda uma comunidade que se organizou para dar continuidade àqueles ensinamentos que os filmes mostraram.

Enquanto no Brasil temos os chamados Conselhos Jedis espalhados por várias cidades para reunir fãs e organizar eventos, a coisa é um pouco mais séria em outros locais do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, há a chamada Lone Star Saber Academy, um local dedicado para que as pessoas aprendam a arte de dominar um sabre de luz.

Pode parecer brincadeira, mas os fãs levam isso muito a sério. Em entrevista ao site da Vice, o cofundador da academia explica o papel de sua instituição, afirmando que se trata de muito mais do que um lugar para as pessoas aprenderem as coreografias de Anakin Skywalker ou de Mace Windu. Para Marc Tucker, essas pequenas organizações criadas em torno do legado de Star Wars estão levando um pouco da filosofia e da disciplina Jedi para a comunidade a partir ações de caridade organizadas periodicamente.

Assim, mais do que sair pregando pelas ruas o papel dos Midi-chlorians ou o papel da Força em nossas vidas, a Lone Star Saber Academy faz algo bem mais interessante. Conquista a atenção das crianças com suas performances acrobáticas e repletas de efeitos — afinal, os sabres usados são feitos para se chocarem e replicarem a sensação dos filmes — e, a partir disso, passar às novas gerações a ideia de equilíbrio e respeito que os Jedis tanto acreditam.

E Tucker não está sozinho nessa empreitada. Outros grupos semelhantes se espalham pelo mundo. A Saber Guild, por exemplo, possui uma divisão até mesmo no Japão. Além disso, há outros grupos importantes para a comunidade, como o New York Jedi e a Rebel Legion. O 501st é um dos mais renomados, principalmente pelo fato de seus membros se vestirem como personagens da série para arrecadarem dinheiro para a caridade.

O mais curioso é que, deixando de lado toda a corrente filosófica e quase espiritual que acompanha a vida desses aspirantes a Jedis, a luta é algo realmente importante para eles. Tanto que muitos desses fãs tratam as batalhas de sabre de luz com a mesma seriedade de outras artes, como a esgrima e o kendô. Alguns, inclusive, até estudam esses estilos de luta variados para aprimorar sua performance no mundo de Star Wars.

Jedi

E aí está um pouco da mágica do negócio. Como explica Robert Paske, do Saber Guild, o objetivo principal do estilo Jedi de combate é exatamente fazer algo bastante performático e que seja visualmente atraente. Tanto que ele explica que muitos dos movimentos que não seriam considerados errados em outros estilos de luta acabam funcionando muito bem com os sabres de luz por conta desse exagero e do impacto que isso tem na coreografia.

Regras e criatividade

Se a ideia é apenas se unir em torno do legado criado pela série, por que há tantos grupos diferentes para falar sobre a mesma coisa? Bem, apesar da ideia ser realmente a veneração ao universo de Star Wars, a verdade é que cada uma dessas organizações possui suas próprias regras e conceitos, o que acaba criando divisões.

Para boa parte dos fãs, parte da graça de mergulhar fundo assim nesse universo é criar seu próprio personagem. Quase como em uma grande partida de RPG, eles criam seu herói, sua história e vivem em torno disso. No entanto, alguns desses grupos são um pouco mais rígidos em relação ao que pode e ao que não pode ser feito.

Marc Tucker, por exemplo, conta que queria ter entrado para o 501st quando era mais novo, mas o fato dele querer ser um Sith ia contra os conceitos da ordem e, por isso, ele não foi aceito. Assim, ele entrou no New York Jedi por conta dessa liberdade e, mais tarde, decidiu criar uma terceira linha juntando as possibilidades de um e a caridade de outro.

Jedi

Com isso, Tucker acredita que é possível unir diversão e compromisso social de maneira simples e eficiente. E essa visão é compartilhada com Robert Panske, que mora no Japão e usa sua Saber Guild para realizar uma série de eventos no país, incluindo colaborações com a Cruz Vermelha e parcerias com o Make-A-Wish, além de coisas com a própria comunidade.

Por fim, eles se mostram bastante animados com a chegada de Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força, no próximo dia 18 de dezembro. No entanto, esse interesse vai muito além dos fãs por dar novo gás à filosofia que eles tanto acreditam. Como Tucker aponta, todo mundo vai querer ser Jedi de novo — e eles vão estar lá para ensinar essas pessoas a não cair para o lado negro da Força.

Via: Vice