3D de "Doutor Estranho" é um diferencial na narrativa do filme

Por Redação | 12 de Abril de 2016 às 14h00

Doutor Estranho é a aposta mais insegura da Marvel Studios em 2016, principalmente por ser um personagem pouco conhecido pelo grande público, mas após o sucesso dos cósmicos Guardiões da Galáxia parece não existir produção arriscada para o estúdio. Com o aclamado Benedict Cumberbatch no papel principal, o longa vai introduzir o conceito de misticismo no Universo Cinematográfico da Marvel, abusando do 3D na narrativa.

Com Scott Derrickson na direção, responsável por O Exorcismo de Emily Rose, Doutor Estranho tem sido considerado como uma fantasia cheia de viagens mentais repletas de ação. Se o Plano Astral for um dos conceitos da trama, o 3D será um dos recursos eficientes da narrativa, assim como o Microverso visto em Homem-Formiga.

Durante as premieres de Capitão América: Guerra Civil, o presidente da Marvel Studios Kevin Feige comentou como os aspectos mentais da trama serão realçados pelo 3D. "É muito legal como o 3D funciona para o filme. Algumas vezes, o 3D é apenas uma ferramenta na produção, como em Capitão América: Guerra Civil, mas em longas como Mogli o recurso é muito maior para a narrativa, assim como acontece em Doutor Estranho. A ideia é que ele curve a visão do telespectador, não que seja um fundo achatado".

Na trama, após ter sua carreira de cirurgião destruída por um acidente de carro, o arrogante Stephen Strange viaja ao Tibete em busca de uma cura milagrosa para suas mãos, mas acaba conhecendo conceitos místicos por um ancião, que se torna seu mestre e o ensina a usar os dons pelo bem do mundo.

Além de Benedict Cumberbatch, o elenco também é composto por Rachel McAdams, Mads Mikkelsen, Tilda Swinton, Chiwetel Ejiofor e Benedict Wong. Doutor Estranho estreia no Brasil em 3 de novembro de 2016.

Via Collider

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.