Sinais de rádio trolls fazem cientistas acreditarem em vida extraterrestre

Por Redação | 13 de Abril de 2015 às 11h26
photo_camera Foto: Divulgação

Os astrônomos da Universidade de Tecnologia de Swinburne, na Austrália, captaram sinais de rádio desconhecidos através de seus telescópios em janeiro deste ano. Segundo os pesquisadores, estes sinais eram extremamente curtos e de origem de algum recanto do universo.

O sinal misterioso fez com que os cientistas acreditassem que ele estivesse sendo transmitido por alguma inteligência extraterrestre. Porém, depois de muito estudo, as pesquisas mostraram que, na verdade, toda a frequência captada vinha das copas e dos refeitórios. A líder da pesquisa, Emily Petroff, comentou em entrevista ao IFLScience que foram realizados testes no último dia 17 de março e que eles confirmaram que os sinais não passavam de frequências de micro-ondas.

Ela explica que isso acontecia quando alguém abria as portas dos aparelhos enquanto eles ainda estavam em operação e que, apesar de serem desenvolvidos com um desligamento automático para esses casos, eles criam um pequeno sinal de rádio. Emily acredita que este efeito deve estar relacionado com uma descarga de energia liberada quando o micro-ondas é desligado.

O fenômeno foi captado pela primeira vez em 2007 e batizado de "Fast Radio Burst" (explosão rápida de rádio, em português). Neste ano, o fenômeno foi detectado novamente na Austrália quando astrônomos estavam revisando dados do radiotelescópio Parkes. Depois desse dia, outros seis casos foram relatados pelo mesmo equipamento e outro descoberto através do radiotelescópio Arecibo, em Porto Rico. O FRB dura apenas alguns milissegundos, então só é possível identificar a sua presença posteriormente. Contudo, Emily e a sua equipe conseguiram capturar estes sinais em tempo real.

Segundo os pesquisadores, as características dos eventos apontavam que a sua fonte estava a 5,5 bilhões de anos-luz da Terra, localizada perto da constelação de aquário. Então, 12 telescópios ao redor do mundo tentaram descobrir a origem do fenômeno, mas sem resultado anormal.

Sabendo que as ondas eram captadas sempre duranteo o horário de expediente, Emily percebeu que os sinais ocorriam com frequências além da capacidade de detecção do telescópio. A cientista diz que foi preciso de um telescópio de 64 metros para captar a radiação.

Já que não foi dessa vez que descobrimos sinais extraterrestres, o acontecimento deixou a importante dica de sempre desligar o micro-ondas antes de abrir a portinha.

Fonte: O Globo

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.