Princípio ativo da maconha pode ajudar a prevenir Alzheimer

Princípio ativo da maconha pode ajudar a prevenir Alzheimer

Por Igor Lopes | 03 de Outubro de 2016 às 21h46

Cientistas têm novas evidências de que o tetraidrocanabinol (THC), um componente ativo da maconha, inibe a formação de placas beta-amiloides por meio do bloqueio da enzima que as produz. O acúmulo de placas da proteína beta-amiloide nos neurônios já foi identificado com uma das possíveis causas para o mal de Alzheimer.

A descoberta reforça os resultados de estudos anteriores que encontraram evidências dos efeitos preventivos dos canabinóides, incluindo o THC, em pacientes com doença neurodegenerativa. O efeito do THC foi testado em neurônios humanos cultivados em laboratório e que simulam o mal de Alzheimer.

"Embora outros estudos tenham oferecido provas de que os canabinóides podem ser um neuroprotetor contra os sintomas da doença de Alzheimer, acreditamos que nosso estudo é o primeiro a demonstrar que os canabinóides afetam tanto a inflamação quando o acúmulo de beta-amiloides em células nervosas", disse David Schubert, um dos membros da equipe do Instituto Salk para pesquisas biológicas, na Califórnia.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ninguém está inteiramente certo sobre o que causa a doença de Alzheimer, mas acredita-se que é resultado de um acúmulo de dois tipos de lesões: placas amiloides e emaranhados neurofibrilares. O motivo do aparecimento das lesões também é um mistério, mas estudos ligaram a inflamação no tecido cerebral com a proliferação de placas e emaranhados neurofibrilares.

No entanto, em 2006, pesquisadores descobriram que o THC inibe a formação dessas placas amiloides por meio do bloqueio da enzima no cérebro que as produz. Agora, Schubert e sua equipe demonstraram que ele também pode eliminar uma resposta inflamatória perigosa nas células nervosas, garantindo a sua sobrevivência.

Diferente do que muitos pensam, o THC não é apenas o responsável pela maioria dos efeitos psicológicos da maconha, como ficar doidão. Na verdade, pesquisadores têm utilizado suas propriedades naturais para tratar diversos sintomas, como dor crônica e efeitos colaterais dos tratamentos de HIV e quimioterapia, além de estresse pós-traumático e acidente vascular cerebral.

Fonte: Science Daily

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.