O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (24/04/2018)

Por Patrícia Gnipper | 24 de Abril de 2018 às 10h55
Depositphotos

A partir de agora, terça-feira é o dia da ciência e da astronomia aqui no Canaltech! Isso porque inauguramos, neste dia 24, a primeira edição desta coluna semanal que traz os principais acontecimentos científicos do momento.

IA fazendo as vezes de médico

Nos Estados Unidos, o FDA (equivalente à Anvisa do Brasil) aprovou, pela primeira vez na história, o uso de um software cujo propósito é identificar doenças sem precisar de um médico para tal. A IA é capaz de detectar níveis acima dos moderados de uma retinopatia causada por diabetes.

Ao analisar imagens do olho do paciente, o sistema informa o grau da retinopatia para que, então, o médico faça a avaliação do paciente, que pode ser encaminhado para um oftalmologista ou a repetir o exame dentro de 12 meses para que se faça o devido acompanhamento.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Telescópio espacial TESS é lançado

Na última quarta-feira (18), acompanhamos o lançamento do telescópio espacial TESS, que continuará a missão do Kepler, já que este somente tem mais alguns meses de vida útil.

O TESS continuará varrendo o céu em busca de exoplanetas, mas, mais poderoso, é capaz de analisar uma área ainda maior do céu, e deve conseguir analisar o que há ao redor de 20 milhões de estrelas.

Estação Espacial Lunar

A NASA revelou que já vai começar a construir a nave Lunar Orbital Platform-Gateway no ano que vem. A ideia é que a nave funcione como uma estação espacial ao redor da Lua, com previsão de lançamento para 2022. Ali, quatro astronautas viverão por um período aproximado de 30 dias, com tarefas como explorar o espaço profundo a partir do nosso satélite natural, além de, naturalmente, estudar a Lua mais de pertinho.

Mercury 13 estreia na Netflix

Já faz parte do catálogo da Netflix o documentário Mercury 13, que mostra a história de 13 mulheres que tentaram se tornar astronautas da NASA na década de 1960, mas, por conta do preconceito de gênero, não tiveram essa oportunidade.

Vale a pena não somente pelo registro histórico dos primórdios sexistas da agência espacial, como também pela seguinte reflexão: se as mulheres tivessem tido a oportunidade de participar dos marcos históricos da NASA desde sua criação, será que os direitos delas teriam sido conquistados mais cedo, dada a visibilidade que os astronautas têm em todo o mundo? Ainda: será que, hoje em dia, não veríamos um número muito maior de mulheres interessadas por STEM (sigla para ciência, tecnologia, engenharia e matemática) caso elas tivessem tido a oportunidade de se tornarem astronautas desde os anos 1960?

Descoberta sobre o DNA

Novas estruturas nas moléculas do DNA, além da dupla hélice, foram descobertas. Uma pesquisa publicada no Nature Chemistry mostrou que nosso código genético também possui uma outra organização estrutural, semelhante a um nó torcido, que foi chamada de "motivo intercalado", ou apenas i-motif.

Na verdade, nos anos 1990 cientistas já haviam detectado essa estrutura, mas essa foi a primeira vez que a ciência conseguiu observar e estudar a estrutura in vitro. Os i-motif servem para determinar se alguns genes serão ativados ou não.

Celebrando o Dia da Terra com pôsteres da NASA

No último domingo (22), celebramos o Dia da Terra. E, para comemorar o Earth Day de 2018, a NASA liberou mais uma coleção de pôsteres belíssimos para download gratuito.

O Dia da Terra existe desde 1970 e serve para conscientizar a população sobre problemas de contaminação, conservação da biodiversidade e outras preocupações relacionadas ao meio-ambiente, tudo com o intuito de proteger nosso planeta.

Novo administrador da NASA é eleito

Na última quinta-feira (19), a NASA, enfim, ganhou um novo administrador. O republicano Jim Bridenstine foi eleito para administrar a agência espacial do país pelo governo de Donald Trump.

A polêmica, aqui, se deu porque Bridenstine não é cientista, tampouco engenheiro. Apesar de a NASA já ter tido administradores não-cientistas anteriormente, Bridenstine é o primeiro político a assumir o cargo – o que deixa uma pulga atrás da orelha quanto ao futuro da agência. Além disso, Bridenstine é criticado na comunidade científica porque tem opiniões controversas sobre o aquecimento global, e isso pode influenciar estudos da NASA sobre o fenômeno.

Para piorar, há, ainda, quem critique o republicano por ele já ter feito declarações públicas contra os direitos dos LGBTs. Em 2013, ele condenou a decisão da Justiça norte-americana de tornar o casamento homoafetivo constitucional.

O cheiro de Urano

Já se imaginava que Urano não cheirava lá muito bem, mas, agora, cientistas enfim conseguiram confirmar que o planeta gasoso cheira a algo entre um ovo podre e flatulências. Tudo foi devidamente publicado na Nature Astronomy, documentando que Urano é composto por amônia e sulfato de hidrogênio  – gases que dão justamente o tal odor apodrecido.

Urano: belo, porém malcheiroso

A notícia "bombou" pois somente agora os cientistas conseguiram confirmar que essas moléculas estão, de fato, ali, usando o telescópio Gemini North. Mas, antes de imaginar uma pessoa sentindo o "perfume" de Urano, a verdade é que o desafortunado morreria sufocado e congelado antes mesmo de conseguir sentir o tal cheiro por conta própria.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.