O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (17/09/2019)

Por Patrícia Gnipper | 17 de Setembro de 2019 às 18h30

Chegou a terça-feira, aquele dia em que o Canaltech faz um "resumão" das notícias mais importantes que rolaram na ciência durante a última semana! Está sem tempo de ficar bem informado? Então chega mais, separe uns minutinhos e acompanhe as linhas abaixo:

Faça contato, Vikram!

Conceito do lander Vikram (Imagem: ISRO)

Apesar de a missão indiana Chandrayaan-2 ser um sucesso no sentido de ter levado mais uma sonda orbital para a Lua, o arriscado pouso do módulo Vikram acabou se tornando um pesadelo. É que, durante a descida, a nave perdeu o contato com os controladores terrestres, e ninguém sabe ainda se o pouso foi feito de maneira autônoma, ou se o Vikram se espedaçou no solo.

Logo depois, a agência espacial indiana disse ter encontrado sinais de que a nave estava sim na superfície, por meio de imagens térmicas obtidas pela sonda orbital, mas não foi possível determinar se ela estaria intacta ou não. A NASA vai dar uma força à ISRO, com sua sonda lunar LRO investigando a região nesta semana em busca de alguma imagem que desvende este mistério.

Mas não pense que os indianos desistiram da ideia de pousar uma nave na Lua com sucesso: o país já acertou uma parceria com os japoneses da JAXA para fazer uma nova tentativa na próxima década!

Coração criado em impressão 3D

Em Harvard, nos EUA, cientistas criaram uma nova técnica de usar impressoras 3D para desenvolver órgãos humanos em laboratório, em especial a impressão de vasos sanguíneos para gerar um coração rudimentar. A técnica se chama SWIFT (Sacrificial Writing Into Functional Tissue) e ainda promete a capacidade de desenvolver órgãos maiores e mais funcionais usando uma "tinta artificial" que, ao ser removida, deixa moldes no substrato, como se fossem vasos.

Os testes iniciais já mostraram a possibilidade de se criar um tecido cardíaco funcional, ainda que de forma bem rudimentar, com o coração pulsando de forma sincronizada por sete dias seguidos.

A proibição dos vapes com sabor nos EUA

Depois de explodir a "bomba" dos vapes, o governo Trump decidiu proibir as essências com sabor para vapes no país — os chamados cigarros eletrônicos. Mais de 400 casos de doença pulmonar grave já foram confirmados como consequência do uso dessas substâncias, e até mesmo algumas mortes já aconteceram com os médicos as relacionando ao uso de vapes com sabor.

Edição genética pode trazer a cura do HIV

A técnica CRISPR de edição genética foi usada por cientistas chineses para eliminar o vírus HIV. Os cientistas modificaram geneticamente células-tronco de formação sanguínea e células progenitoras fornecidas por um doador, e as transplantaram para um homem de 27 anos que teve dois diagnósticos — uma forma aguda de leucemia e HIV positivo. Meses depois, o paciente parou de tomar os medicamentos contra a doença, e os pesquisadores viram que o transplante não apenas se firmou com sucesso, como também não havia resultado em efeitos colaterais negativos.

Contudo, após 19 meses, a carga viral voltou a subir, forçando o paciente a retomar o uso do coquetel de remédios. Ainda assim, o estudo é um caminho para se tratar a doença por meio da edição genética, e novos estudos seguem em andamento.

Novo visitante interestelar

Depois de descobrirmos, em 2017, o visitante interestelar Oumuamua passeando pelo Sistema Solar, agora foi a vez de detectarmos o C/2019 Q4 (Borisov), possivelmente o segundo objeto proveniente de outro sistema estelar já descoberto por aqui.

O objeto foi detectado em agosto e já vem sendo estudado e acompanhado pela comunidade científica, que inicialmente o classificou como um cometa, pelo fato de ele apresentar uma cauda visível à medida em que se aproxima do Sol. Essa cauda são gases que são ejetados com o aquecimento solar. O objeto deverá atingir sua aproximação máxima do nosso astro em dezembro, quando começará a se distanciar gradualmente do Sistema Solar, para nunca mais voltar.

Por enquanto, temos uma primeira foto do cometa, tirada pelo observatório Gemini — e muitas outras ainda estão por vir!

(Foto: Gemini Observatory)

Água em exoplaneta parecido com a Terra? É isso mesmo?

A "bomba" da última semana foi a descoberta de água na atmosfera de um exoplaneta chamado K2-18b, que está na zona habitável de sua estrela. Mas, calma: ao contrário do que vem sendo divulgado por aí, o planeta não é uma "Terra 2.0", sendo que sequer é rochoso, muito mais parecido com um "mini-Netuno" do que com o nosso planeta.

De qualquer maneira, a descoberta de água em sua atmosfera é interessante e pavimenta o caminho para mais estudos do tipo, e a ciência segue em busca de um exoplaneta que, aí sim, possa ser considerado um "gêmeo" da Terra — quem sabe abrigando formas de vida alienígena, ou sendo capaz de servir como morada para a humanidade do futuro?

(Imagem: NASA/ESA)
Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.