Nova técnica de edição genética é testada em humanos pela primeira vez

Por Redação | 16 de Novembro de 2016 às 22h35

Um grupo de pesquisadores chineses está conduzindo a primeiríssima pesquisa envolvendo material genético modificado em seres humanos. A metodologia consiste em injetar, em pacientes com câncer, células com genes editados a partir de uma técnica batizada de CRISPR-Cas9. O método, diga-se de passagem, é revolucionário o suficiente para que os cientistas possam afirmar, com total certeza, que ninguém no mundo publicou um estudo semelhante e de tamanho impacto clínico e científico na área da oncologia até agora.

O feito se consolidou no último dia 28, pelas mãos do oncologista e cientista-chefe da pesquisa Lu You, ao lado de sua equipe da Universidade de SIchuan, em Chengdu, China. O experimento ocorreu no West China Hospital, na mesma cidade.

Apenas um paciente recebeu a injeção com genes modificados. Mas se o experimento continuar sem efeitos adversos nocivos, mais nove pacientes integrarão o grupo de estudo. Cada indivíduo receberá entre uma a quatro injeções com o material. O processo consiste da remoção de células imunológicas do sangue do paciente, para posterior edição genética com a técnica CRISPR (com DNA deletado, que dá lugar a um novo, programado) e reintegração ao sistema circulatório do indivíduo.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Vários outros pesquisadores publicaram trabalhos sobre a questão da edição genética e sua relação com a cura do câncer, apesar de não terem mencionado nada parecido com a nova técnica. A CRISPR é relativamente fácil de usar e, teoricamente, pode resolver a maioria dos problemas relacionados a desordens genéticas que afligem a humanidade. Em outras palavras, o método pode servir como tratamento da leucemia e de vários outros tipos de doenças raras e de câncer.

Agora todos na comunidade científica estão na grande expectativa pelos resultados da pesquisa, que, caso positivos, farão com que a técnica se dissemine pelo mundo todo, estabelecendo um caminho mais curto para a cura. Aliás, há também o espírito competitivo entre chineses e americanos neste quesito, que estão trabalhando pesado para encontrar uma solução para as neoplasias malignas. E os grandes beneficiados com todos estes esforços são, sem dúvida, os pacientes.

Com informações do TechTimes

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.