Material mais escuro do mundo torna impossível medir quantidade de luz absorvida

Por Redação | 09.03.2016 às 11:15
photo_camera Reprodução/YouTube

A Surrey NanoSystem já havia surpreendido o mundo quando, em 2014, apresentou o material mais escuro do mundo. Chamado de Vantablack, ele era um revestimento com uma incrível capacidade de absorver 99,965% da luz visível e 99,85% da radiação infravermelha. Em suma, qualquer feixe de luz mirado sobre a superfície deste material desaparecia instantaneamente. Mas o que parecia incrível se tornou ainda melhor com o lançamento de uma nova versão do Vantablack.

Desta vez, a absorção de luz é tão grande que foi impossível mensurá-la. De acordo com a própria Surrey NanoSystem, “o revestimento é tão escuro que nossos espectrômetros não conseguem medir [a quantidade de luz absorvida]”. E, para provar, a companhia divulgou um vídeo incrível no qual é possível ver um raio laser sumindo ao passar sobre o novo Vantablack.

Para se ter uma ideia da capacidade de absorção do novo revestimento, a companhia responsável por sua criação o colocou lado a lado com três tipos diferentes de cores pretas: a de uma tinta fosca comum, a da cor mais apropriada para aplicações espaciais da atualidade e, por fim, o Vantablack. Todos são iluminados por um conjunto de luzes LED brancas superbrilhantes, mas o revestimento da Surrey basicamente “engole” todos raios luminosos.

Nanotubos de carbono

Como revelado pela fabricante em julho de 2014, o Vantablack é 10 vezes mais resistente do que o aço e é condutor de calor sete vezes e meio mais eficiente do que o cobre. Além disso, sua aplicação pode aumentar a eficácia de câmeras astronômicas, telescópicos e sistemas de digitalização de infravermelho. Ele poderia ser usado ainda para fins militares, apesar da Surrey não ter detalhado como isso funcionaria.

O Vantablack é feito com nanotubos de carbono 10 mil vezes mais finos do que um fio de cabelo humano. Como os nanotubos ficam extremamente próximos entre si, as partículas de luz ficam impossibilitadas de atravessá-los, então ela é projetada ao seu redor até ser absorvida quase que por completo.

Fonte: Surrey NanoSystem/YouTube