Estudo revela que algo está rapidamente "matando" galáxias ao nosso redor

Por Redação | 24.01.2017 às 16:48

Isso até pode soar como o roteiro de um filme ou livro de ficção científica, mas alguma coisa realmente está "matando" galáxias relativamente próximas à Via Láctea, informaram pesquisadores de um estudo publicado neste mês na jornal científico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

De acordo com o time global de pesquisadores, que está baseado no Centro Internacional para Pesquisa Astronômica de Rádio (ICRAR), na Australia, cerca de 11 mil galáxias estão perdendo rapidamente seus gases responsáveis pela formação de novas estrelas – o que as está destruindo completamente.

O fenômeno, por enquanto, está sendo atribuído a grandes círculos de matéria escura que cercam estas galáxias, que supostamente estariam exercendo pressão constante sobre esses sistemas e forçando seus gases para fora. Segundo os pesquisadores, o processo é capaz de tornar galáxias incapazes de formar novas estrelas em "apenas" algumas "dezenas de milhões de anos", um período de tempo curto para padrões espaciais.

"Você pode imaginar isso como uma vassoura cósmica gigante que fisicamente varre o gás das galáxias", explicou Toby Brown, líder do grupo de pesquisa. "Isso dita a vida da galáxia porque estrelas existentes se resfriam e envelhecem. Se você remover o combustível para a formação de estrelas, então você efetivamente mata a galáxia".

O processo, que em inglês é apelidado de ram-pressure stripping, já era conhecido por cientistas, mas era antes considerado muito mais raro do que pode ser na realidade. De acordo com Barbara Catinella, co-autora do estudo, astrônomos acreditavam que o fenômeno só ocorria em "grandes clusters" de galáxias, o que é refutado pelos resultados da nova pesquisa.

"Este artigo demonstra que o mesmo processo está operando em grupos muito menores de galáxias, com muito menos matéria escura. A maioria das galáxias do universo vive nestes grupos [menores], entre duas e cem galáxias", avaliou Catinella.

Com as revelações do estudo, o grupo já dá indícios que o processo de pressão a partir da matéria escura pode, na verdade, ser o fenômeno principal através do qual galáxias deixam de existir.

Até hoje, o processo reconhecido com o mais comum para a extinção de galáxias era o da chamada "estrangulação", que é o consumo natural de toda a matéria disponível para formação de novas estrelas.

Via: Business Insider