Empresa espacial de Jeff Bezos conclui foguete e dará início a viagens espaciais

Por Redação | 09 de Abril de 2015 às 08h13

Talvez você não saiba, mas Jeff Bezos, fundador e presidente executivo da Amazon, também tem uma empresa cujo foco é a exploração espacial. E quer saber mais? Ela está operando a todo vapor.

Nesta terça-feira (07), a Blue Origin anunciou ter completado o desenvolvimento de um novo motor movido a hidrogênio líquido e que ele será usado na espaçonave New Shepard no fim deste ano numa viagem suborbital. Chamado de BE-3, o motor será o principal responsável por dar propulsão à nave espacial até a uma altura de pelo menos 100 quilômetros. A partir daí, a cápsula se separará do propulsor e permanecerá de 4 a 5 minutos literalmente flutuando no ar até dar início ao procedimento de queda, que será auxiliado por um paraquedas.

Enquanto isso, o motor será assistido por um sistema de pouso, que o levará de volta à base de lançamento no estado norte-americano do Texas. A ideia é que o BE-3 use um conjunto auxiliar de reguladores de pressão para executar um pouso vertical automatizado, sem a interferência de quaisquer engenheiros.

Este será o primeiro de uma série de voos-teste realizados pela Blue Origin, que pretende começar a operar voos tripulados ou de carga em breve. Para a empresa, é a segunda modalidade de voo que parece ser mais promissora nos próximos anos. "Nós acreditamos que o transporte de material científico é um dos grandes negócios do futuro", disse Rob Meyerson, presidente da empresa fundada por Bezos.

Se tudo sair conforme o planejado, logo veremos a Blue Origin disputando a preferência das pessoas e empresas com a Virgin Galactic e até mesmo a SpaceX, do executivo sul-africano Elon Musk. Sobre a concorrência acirrada, Meyerson se disse tranquilo por saber que o BE-3 é um dos diferenciais que farão a empresa se destacar no mercado.

"O BE-3 tem um sistema único de propulsão que mantém os motores funcionando a uma potência constante. Isso faz com que tanto a decolagem quanto a aterrisagem vertical sejam mais seguras e preservem o equipamento, que poderá ser reutilizado em outras viagens", destacou o executivo.

Motor BE-3 já vinha sendo trabalhado desde 2013 e finalmente foi concluído nesta terça-feira (07). Objetivo da Blue Origin é implantá-lo em viagens tripuladas de pelo menos 3 pessoas ou transporte espacial de cargas

Motor BE-3 já vinha sendo trabalhado desde 2013 e finalmente foi concluído nesta terça-feira (07). Objetivo da Blue Origin é implantá-lo em viagens tripuladas de pelo menos 3 pessoas ou transporte espacial de cargas (Imagem: Divulgação / Blue Origin)

Essas duas características aliadas ao uso do hidrogênio líquido são apontadas como a chave para o sucesso comercial do componente. "Isso o torna mais barato e mais acessível", destacou Bezos num comunicado oficial.

A aposta no BE-3 é tão grande que a Blue Origin já diz estar trabalhando no BE-4. Nessa nova versão, o motor utilizará uma mistura de oxigênio com gas natural liquefeito para entregar mais potência que o antecessor. Tal característica, inclusive, levou a máquina a ser escolhida pela United Launch Alliance para equipar sua primeira linha de foguetes de sexta geração, substituindo o propulsor russo RD-180.

"Nosso objetivo é fazer com que as viagens espaciais sejam mais seguras, confiáveis e acessíveis. Esse é o nosso objetivo", disse Meyerson.

Com informações da CNET

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.