Como será que viveremos nas grandes cidades dentro de 100 anos?

Por Redação | 26.02.2016 às 16:14

O ano é 2116 e habitantes de uma metrópole vivem em cidades submarinas ou prédios subterrâneos, transportam casas inteiras utilizando enormes drones e imprimem alimentos, em vez de cozinhá-los ou assá-los. Parece roteiro de filme sci-fi, mas, de acordo com o relatório “SmartThings: Future Living Report”, essa deverá ser a realidade das grandes cidades dentro de cem anos.

Future Living Report

O documento foi preparado por um grupo de arquitetos e cientistas da SmartThings, companhia que pertence à gigante Samsung, junto com professores da Universidade de Westminster, na Grã-Bretanha. De acordo com Maggie Aderin-Pocock, cientista espacial participante do estudo, no futuro “vamos procurar melhores lugares para construir, e utilizar o fundo do mar faz muito sentido”.

Novas moradias e meios de transporte

No relatório, a equipe diz acreditar que dentro de somente cem anos a Terra contará com extensas construções verticais, mas para baixo, seja no subterrâneo ou no fundo do mar. Habitações flutuantes também são uma forte possibilidade, e engenheiros alemães já criaram um protótipo de uma casa flutuante autônoma, construída com o objetivo de aliviar a pressão demográfica sobre as cidades.

Future Living Report

Já com relação a meios de transporte, a previsão é de que os drones passem a fazer parte dessa categoria, e podem até mesmo ser utilizados para carregar casas inteiras pelo mundo. Ou seja, mudar de endereço poderá ser possível apenas transportando a residência de um local ao outro, por exemplo, ou ainda levar sua casa consigo ao viajar de férias por aí – como se a residência fosse uma espécie de trailer de viagem.

Future Living Report

Comida impressa e saúde em dia

O documento também fala sobre as mudanças na nossa alimentação dentro de cem anos. Não exatamente sobre o que comeremos, mas como prepararemos nossos alimentos. O uso das impressoras 3D já vem sendo ampliado nos dias de hoje, e, dentro de não muito tempo, será possível imprimir objetos como móveis e até mesmo alimentos, que poderão ser baixados da internet e produzidos em questão de segundos.

A manutenção da nossa saúde também deverá ser feita de maneira diferente de como fazemos atualmente. Hoje em dia precisamos realizar check-ups periódicos em médicos especialistas para prevenir doenças, mas dentro de cem anos as pessoas poderão ter em casa dispositivos que confirmarão se elas estão doentes (ou até mesmo se estão em vias de adoecer), recomendando o tratamento ou enviando as informações para o médico de confiança da família.

Colonizando outros planetas

Outra sugestão do relatório se dá com relação à exploração interplanetária. As gerações que habitarão o planeta daqui a cem anos possivelmente viverá em uma realidade em que os humanos mantenham colônias fora da Terra, tendo a Lua e Marte como destinos mais prováveis.

Fonte: BBC