Cientistas descobrem que o Peixe Arqueiro reconhece e diferencia rostos humanos

Por Redação | 08.06.2016 às 09:54

Apesar dos peixes serem considerados seres não muito inteligentes, um peixinho tropical tem mostrado que talvez esses vertebrados aquáticos não sejam tão “burros” assim. Cientistas descobriram que o Peixe Arqueiro (Toxotes jaculatrix), que vive em países como Indonésia, Austrália e Papua-Nova Guiné, é capaz de reconhecer e diferenciar rostos humanos com alta precisão.

Também conhecido como “archerfish”, o peixinho foi estudado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, em parceria com a Universidade de Oxford, que descobriu essa incrível habilidade. Embora não possua córtex visual, o estudo revelou que esse tipo de peixe é capaz de reconhecer até 44 faces

Essa conclusão foi possível combinando a exibição de rostos humanos ao animal com sua habilidade de disparar jatos de água com a boca. Quando se sente ameaçado ou quando deseja caçar pequenos insetos acima da água, o peixe comprime rapidamente sua cavidade oral, fazendo com que a água ali presente saia por um tubo formado por sua língua pressionada pelo palato, ejetando água a uma distância de até 1,5 metro. Então, os cientistas trainaram os animais para que eles soltassem seu poderoso jato de água quando um display exibisse um determinado rosto em meio a vários outros.

peixe arqueiro

O peixe foi colocado em uma câmara de água com um display eletrônico mostrando rostos sequencialmente (Reprodução: Universidade de Oxford)

Os peixes não somente foram capazes de acertar o rosto desejado repetidas vezes, como também identificaram a face mesmo que ela tivesse sofrido algumas alterações, como, por exemplo, no formato da cabeça. Os resultados mostraram uma precisão de 81%, número que cresceu ainda mais em um segundo experimento com imagens coloridas e mais brilhantes.

Ok, e qual a finalidade de um estudo desses? Um dos objetivos dos pesquisadores foi determinar se animais com uma estrutura cerebral mais simplificada seriam capazes de reconhecer rostos, e o resultado mostrou que sim, mesmo com a ausência de um córtex visual, esses peixes souberam diferenciar uma face da outra. “Todos os rostos têm dois olhos acima do nariz e uma boca, e ser capaz de distinguir um rosto entre um grande número de faces humanas é uma tarefa surpreendentemente difícil, sendo necessário conseguir identificar diferenças sutis em suas estruturas. Se considerar a semelhança de aparência entre membros de uma mesma família, essa tarefa pode ser ainda mais difícil de ser executada”, explicou um dos membros do estudo.

Fonte: Phys.org