Cientistas descobrem novo tipo de célula-tronco

Por Redação | 15 de Março de 2016 às 17h55

Cientistas da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, descobriram um novo tipo de célula-tronco que poderia levar a avanços na medicina regenerativa, bem como oferecer novas maneiras de estudar defeitos de nascimento e outros problemas reprodutivos. Tony Parenti, autor principal do estudo, revelou as novas células – intituladas células induzidas XEN, ou iXEN – em um artigo publicado na revista científica Stem Cell Report.

Talvez você já tenha ouvido falar de células-tronco embrionárias (pluripotentes), aquelas que possuem a capacidade única de se transformar em qualquer tipo de célula do corpo. Os cientistas queriam entender melhor o seu funcionamento não só para ter uma noção do papel que desempenham no desenvolvimento humano, mas também porque elas poderiam ajudar e tratar uma série de condições médicas em que os tecidos precisam ser reparados.

Durante algum tempo, os pesquisadores se limitaram a experimentar apenas dois tipos de células-tronco: embrionárias, que vêm de embriões, e adultas (somáticas), que são encontradas em outros tecidos do corpo e substituem células danificadas.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

No entanto, em 2007, alguns cientistas descobriram uma maneira de transformar células comuns do corpo em células-tronco pluripotentes, e então as chamaram de células-tronco embrionárias induzidas (da sigla em inglês, iPS). Enquanto eles estavam entusiasmados com a perspectiva de ter mais células-tronco disponíveis para uso em tratamentos médicos, perceberam que outras 1.000 células estranhas criadas juntamente com cada célula-tronco também podem ser importantes. As células iXEN eram umas delas.

Até então, estas células eram consideradas como uma espécie de câncer, um subproduto indesejado da produção de células-tronco embrionárias induzidas. Após seis meses de testes com ratos de laboratório, Parenti e sua equipe descobriram que as células "estranhas" não tinham nada a ver com câncer, mas sim que elas eram um novo tipo de célula-tronco com propriedades desejáveis.

Devido às suas características, as células iXEN podem ajudar no tratamento de doenças reprodutivas. Se os pesquisadores continuarem desvendando os segredos destas células, eles poderão melhorar a qualidade das células-tronco pluripotentes induzidas e estabelecer bases para futuras pesquisas sobre tecidos que protegem e nutrem o embrião humano.

"A natureza faz as células-tronco perfeitamente, mas ainda estamos tentando melhorar a nossa produção deste tipo de célula", disse Parenti. "Nós aplicamos o que aprendemos na reprogramação e isso abriu um novo caminho para otimizá-la".

Via Michigan State University

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.