Buscas de cientistas em 100 mil galáxias não encontram vestígios de civilização

Por Redação | 20 de Abril de 2015 às 08h35

Os pesquisadores da Universidade Estadual da Pensilvânia fizeram uma busca em 100 mil galáxias para encontrar pelo menos um sinal de vida extraterrestre. Porém, não foi dessa vez que alguma evidência de existência de algo parecido com o ser humano foi encontrada.

Contudo, a equipe conseguiu descobrir alguns fenômenos misteriosos que acontecem aqui na Via Láctea. Foram estudados dados do telescópio espacial da NASA Wide-field Infrared Survey Explorer, também conhecido como WISE.

Segundo Jason Wright, professor assistente de astronomia e astrofísica da universidade, "se uma civilização avançada usasse grandes quantidades de energia a partir de estrelas de sua galáxia para a execução de computadores, voo espacial, comunicação, ou algo que ainda não podemos imaginar, a termodinâmica fundamental nos diz que esta energia deve ser irradiada para fora em forma de calor em comprimentos de onda infravermelho médio".

Os cientistas vasculharam os dados do WISE e encontraram sinais de radiação infravermelha média "anormalmente elevados" em 50 das 100 mil galáxias analisadas. Apesar da constatação, isso não é sinal suficientemente forte para afirmarmos que há civilizações avançadas universo afora. O estudo destas 50 galáxias vai responder se essa radiação é proveniente de processos naturais ou não.

Wright comenta também que o resultado da pesquisa não é decepcionante, pois talvez uma vida extraterrestre até exista, mas "não usam energia o suficiente para que possamos conhecê-los". Além do mais, 100 mil galáxias ainda é um número pequeno em relação ao número total, que deve ultrapassar 100 bilhões.

Via: Cnet

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.