Turbulências podem se tornar mais fortes graças ao aquecimento global

Por Redação | 09 de Abril de 2013 às 17h25

Se você não gosta muito de voar, agora vai ganhar um motivo a mais para isso: cientistas descobriram uma relação entre o aquecimento global e o aumento das turbulências em aviões. Portanto, se preparem para apertar ainda mais os cintos no futuro.

O artigo, divulgado na sessão de 'Mudanças Climáticas' da revista 'Nature', mostrou que as mudanças estão ligadas à turbulência de céu claro, causada por variações de velocidade nas correntes de ar, e não naquelas ligadas a tempestades. Os cientistas acreditam que, na metade do século, a força das turbulências sobre o corredor de voos no Atlântico Norte pode aumentar entre 10% e 40%, e a frequência desses acontecimentos pode aumentar de 40% a 170%.

Esse tipo específico de turbulência que deve ficar mais forte com o aquecimento global ocorre quando massas de ar se movimentam em velocidades diferentes e colidem na atmosfera, o que as torna invisíveis a olho nu e quase impossível de serem detectadas por radares ou satélites.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Para identificar o impacto das mudanças climáticas nos voos, os pesquisadores contaram com a ajuda de um computador para simular a ocorrência desses eventos atmosféricos. Como resultado, eles descreveram que as rotas de alguns voos podem ser alteradas, resultando em maior tempo de voo e na utilização e emissão de mais combustível, o que poderia alimentar ainda mais as mudanças climáticas. Complicado, não?

Mas, para Ronaldo Jenkins, coordenador da comissão de segurança de voo do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias, a tecnologia pode funcionar a favor da indústria aérea, já que, para ele, "até a metade do século já será possível detectar esse tipo de turbulência".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.