Será possível viajar mais rápido que a velocidade da luz?

Por Redação | 18.10.2012 às 07:20

Quando Albert Einstein publicou sua teoria da relatividade, em 1905, uma simples regra foi estipulada: a velocidade da luz não poderia ser quebrada. Depois de efetuar complexos cálculos, Einstein descobriu que ela era a referência máxima em termos de velocidade universal. E, desde então, a velocidade da luz foi mantida como a maior já conhecida.

Mas cientistas da Universidade de Adelaide, no sul da Austrália, publicaram um estudo que expandiu as fórmulas originais demonstradas por Einstein no início do século XX. Os novos modelos sugerem que velocidades ainda mais rápidas que a da luz podem ser (pelo menos teoricamente) possíveis. As informações são do Mashable.

Mas como? Os cientistas quebraram a existência e a subdividiram em duas categorias: nosso universo observável, onde tudo obedece os limites da velocidade da luz, apresentada por Einstein, e um universo alternativo, onde objetos podem se mover a velocidades infinitas, com sugestões de que, com base em cálculos, isso é possível.

A teoria explora um universo alternativo, por isso, ainda não existem métodos de aplicação para a realização de experimentos. James Hill, um dos chefes da equipe de pesquisadores deste experimento, diz que seus estudos ainda podem funcionar como chave para entender fenômenos inexplicáveis como os buracos negros e as galáxias em colisão.

Será que a equipe de Hill está prestes a reformular a teoria da relatividade? Em tempos em que o fator de dobra espacial dos filmes de ficção está sendo estudado e o homem consegue saltar da estratosfera em uma queda livre que ultrapassa a velocidade do som, essa e outras novidades no campo da ciência podem nos surpreender a qualquer momento, não é mesmo?