Robô Curiosity encontra metano na atmosfera marciana, o que pode indicar vida

Por Redação | 17 de Dezembro de 2014 às 15h29

A questão da vida extraterrestre sempre fascinou a humanidade, e hoje em dia, mais do que nunca, buscamos vestígio de que existe vida em outros planetas. A NASA e outras agências espaciais possuem diversas missões, com os mais variados métodos de se encontrar vida, mas até agora... nada.

Um dos alvos das pesquisas é Marte, nosso vizinho, que é um dos poucos corpos no Sistema Solar que pode ter tido condições de conter vida na forma como conhecemos, por causa das suas características e distância do sol. E é lá que está o robô Curiosity, que desde 2012 investiga a superfície marciana para ajudar os cientistas a descobrirem se já existiu ou ainda existe vida por lá.

Curiosity Marte

Robô Curiosity

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Em setembro do ano passado, a NASA havia declarado que as chances de encontrar vida no planeta vermelho seriam quase ínfimas, porque o Curiosity, até o momento, não tinha achado nenhum traço de metano, que pode ser um subproduto da atividade bacteriológica – ou seja, vida.

No entanto, nos últimos meses, a maré parece estar mudando, porque o robô tem detectado aumento na quantidade da substância na atmosfera. Além disso, o rover encontrou moléculas orgânicas em uma amostra coletada em maio, apesar destas não conterem vida. Como a NASA explica, matéria orgânica são substâncias que contém apenas carbono e hidrogênio, e é um dos componentes básicos da vida. No entanto, ela pode existir sim mesmo na ausência de vida.

Os pesquisadores da Agência ressaltam que a matéria orgânica encontrada não significa, necessariamente, que já existiu vida por lá, mas indica que o planeta é quimicamente ativo, e que no passado haviam sim condições para a existência dela.

Já o metano é um caso mais curioso. Os cientistas têm procurado pela substância por meses, e nada era encontrado. Então, subitamente, os níveis subiram quase 10 vezes da quantidade ínfima existente, o que chamou a atenção. No entanto, logo em seguida, os níveis caíram novamente, para o patamar anterior, de quase inexistência.

Causas do metano em Marte

Uma das explicações seria a tão esperada de que bactérias estariam presentes em água abaixo da superfície, mas também existem outras hipóteses, as mais prováveis, como poeira cósmica ou o resultado de reações na atmosfera com o CO2 e o hidrogênio, por conta dos raios solares.

Os cientistas continuarão investigando as causas, e com certeza esse salto no metano aumentou a esperança dos pesquisadores em encontrar algo promissor no nosso vizinho vermelho.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.