Expedição pode ter encontrado 'continente perdido' na costa brasileira

Por Redação | 08 de Maio de 2013 às 17h29
photo_camera CPRM

Pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), em parceria com a Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra e do Mar (Jamstec), realizaram a primeira expedição ao fundo do Atlântico Sul e encontraram uma formação rochosa que pode indicar a existência de um 'continente perdido' a pouco mais de 1.500 quilômetros do litoral do Brasil.

A expedição, que utilizou o único submarino tripulado do mundo capaz de atingir 6.500 metros de profundidade, coletou algumas amostras da montanha submersa, também conhecida como Elevação do Rio Grande. "A Elevação do Rio Grande sempre foi considerada uma montanha submersa de origem vulcânica semelhante às que existem em frente à costa da África, mas vimos agora que suas rochas não são vulcânicas mas continentais", explicou durante coletiva de imprensa Roberto Ventura, presidente da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais do Brasil.

Os geólogos afirmam que a porção de terra submersa identificada nesta expedição pode ter se desprendido do continente sul-americano e afundado durante o processo que o separou do continente africano na era Paleozoica, gerando os continentes como os conhecemos hoje. A expedição permitiu a visualização completa da Elevação do Rio Grande, que é um complexo montanhoso submerso com alturas que podem chegar a 3.200 metros a partir do leito do oceano Atlântico. As montanhas separam a margem continental pertencente ao Brasil das águas mais profundas da região.

O CPRM deverá abrir uma licitação para determinar qual empresa especializada em perfurações irá trabalhar em parceria com o órgão para coletar mais amostras das montanhas, que ajudarão os cientistas a determinar com precisão sua origem e identificar os minerais que compõem a região. A montanha foi analisada como parte do projeto Iatá-Piuna, com cientistas brasileiros e japoneses a bordo do navio de pesquisa oceanográfica Yokosuka, que está percorrendo a margem continental brasileira.

A expedição ainda faz parte de um projeto de pesquisa mais extenso, intitulado 'Busca pelos Limites da Vida', no qual a Jamstec está explorando as regiões mais profundas do oceano, principalmente no hemisfério sul. O navio Yokosuka já percorreu regiões do Oceano Índico e, após o fim de sua jornada no Atlântico Sul, seguirá para o Mar do Caribe e para o Oceano Pacífico.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.