Exame de DNA soluciona um dos últimos mistérios do Titanic

Por Redação | 21.01.2014 às 07:00

Por mais de 70 anos a família Allison conviveu com um dúvida que atordou a todos desde o naufrágio do Titanic. Quando o navio bateu num iceberg e afundou no Oceano Atlântico há mais de 100 anos, acreditava-se que somente uma única criança da primeira classe havia morrido no naufrágio: Loraine Allison.

Ao que tudo indica, à época a criança de apenas 2 anos não havia sido colocada num bote salva-vidas porque seus pais estavam desesperados em busca do seu irmão mais novo, Trevor, que havia sumido na noite da tragédia. No entanto, o menino foi salvo por uma das criadas da família, que o colocou em um dos botes do navio sem o conhecimento dos pais. O desespero custou a vida de Alisson e seus pais, cujos corpos, com exceção do pai, jamais foram encontrados.

Em 1940, no entanto, 28 anos após o "inafundável" navio atingir as profundezas do oceano, uma mulher chamada Helen Kramer foi ao programa de rádio "We, the People" dizer que ela era Loraine Allison. De acordo com sua versão, ela teria sido salva pelo designer e construtor do navio, Thomas Andrews, que também acreditava-se que teria morrido no naufrágio do Titanic. Kramer disse ainda que foi posta num bote ao lado de um senhor que a criou na Inglaterra e, anos depois, revelou quem ela realmente era.

A partir daquele momento, por 50 anos Kramer tentou convencer e provar à família Allison que ela era parte deles. Os esforços, no entanto, foram pouco frutíferos e a família a manteve longe por mais de 5 décadas, quando Kramer veio a óbito em 1992.

Convencida dos argumentos da avó, Debrina Woods tomou os documentos que ela carregava a todos os lugares e continuou a tentar convencer os Allison que ela era descendente de Loraine Allison. Agora, 70 anos depois, a família finalmente soube da verdade.

Segundo o jornal The Telegraph, um grupo de entusiastas do Titanic criou o Loraine Allison Identification Project para persuadir e encorajar os membros da família Allison a realizar um teste de DNA. Os resultados foram conclusivos e apontaram que Helen Kramer e Debrina Woods não tinham quaisquer parentesco com quaisquer membros da família Allison.

"É ótimo resolver esse caso, mas não podemos esquecer que este é apenas um dos inúmeros casos trágicos do Titanic", disse Tracy Oost, fundadora do projeto Loraine Allison Identification, ao The Telegraph. "O único mistério que permanece é quem foi Helen Kramer".