Digitando com a força do pensamento

Por Ultra Downloads | 03.07.2012 às 14:30
força do pensamento

Foi desenvolvido, na Universidade de Maastricht, na Holanda, um método de "leitura de pensamento" utilizando a técnica da ressonância magnética (aquelas imagens tridimensionais que certos aparelhos conseguem capturar dos nossos ossos, músculos, órgãos e demais estruturas).

Os cientistas Bettina Sorger, Joel Reithler, Brigitte Dahmen e Rainer Goebel descobriram uma maneira de monitorar o fluxo sanguíneo dentro do cérebro e associar imagens capturadas por meio de um aparelho de ressonância magnética com as letras do alfabeto. Cada letra corresponde a um dos 27 sinais confiáveis e diferenciáveis na ressonância.

O sistema leva, em média, uma hora para ser configurado e aprendido por cada indivíduo. Os testes com o novo aparelho focaram em indivíduos saudáveis, mas obviamente, quem mais tem a ganhar com a nova tecnologia são os portadores de paralisia e doenças como esclerose lateral amiotrófica. Betina Sorger espera fazer com que pacientes com deficiência consigam se comunicar com o mundo externo pensando em uma letra que deseja utilizar em uma palavra de cada vez.

Obviamente, os pacientes não terão como instalar um aparelho de ressonância magnética em suas casas, muito menos carregar um deles aonde quer que vão. Os dados coletados podem ser utilizados para desenvolver aparelhos não tão precisos, mas portáteis, que serão de grande valia para pacientes, monitorando sinais elétricos e luminosos.

O artigo científico foi publicado na última edição da revista Current Biology.