Dados de satélite britânico ajudaram a encontrar avião perdido da Malásia

Por Redação | 25 de Março de 2014 às 13h34

O primeiro-ministro da Malásia anunciou nesta segunda-feira (24) que o voo MH-370, desaparecido desde o início de março, provavelmente acabou no fundo do Oceano Índico com a morte de todos a bordo. De acordo com o jornal Telegraph, o fim da busca só foi possível graças a dados coletados por um satélite da empresa britânica Inmarsat.

Apesar dos aparelhos de comunicação e rastreamento do avião terem sido desligados ainda no espaço aéreo malaio, um único satélite britânico continuou recebendo pequenos sinais de som de um terminal dentro do voo em intervalos de uma hora. Baseados nesses pings, engenheiros foram capazes de predizer a rota do avião, que teria continuado em operação por aproximadamente cinco horas após ter desaparecido. É a primeira vez que esse tipo de análise é utilizada em um acidente aéreo, disse o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak.

"Nós olhamos para o Efeito Doppler, que é a mudança de frequência do som que ocorre durante o movimento do satélite em sua órbita. Isso nos deu um caminho possível para uma rota indo para o norte e uma rota para o sul", explicou Chris McLaughlin, vice-presidente sênior para assuntos externos da Inmarsat. "Isso nunca foi feito antes; nossos engenheiros pensaram em uma contribuição única".

Os dados foram trabalhados em modelos baseados no Efeito Doppler durante duas semanas até que, finalmente, se chegou à conclusão de que o voo teria tomado a rota sul, sobrevoando o Oceano Índico. Os engenheiros trabalharam apenas com os sinais de som, sem saber a que velocidade o avião voava ou em que circunstâncias ele teria caído. "Nós não temos como saber se o combustível acabou, não temos como saber se o avião embicou ou se planava e não temos como saber se no fim de seu tempo no ar ele já voava mais devagar porque pegava fogo", disse McLaughlin.

O governo malaio anunciou, nesta segunda-feira (24), que o avião do voo MH370, que partia de Kuala Lumpur em direção a Pequim, caiu no Oceano Índico a oeste de Perth, uma cidade da Austrália. O primeiro-ministro Najib Razak disse não acreditar que tenha havido sobreviventes. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.