Após 9 anos no espaço, sonda da NASA começa a fotografar Plutão

Por Redação | 27.01.2015 às 09:46
photo_camera Divulgação

Plutão pode ter sido rebaixado em 2006 para a condição de "planeta anão", mas a comunidade científica está animada com as futuras descobertas sobre um dos corpos celestes mais distantes da Terra. Isso porque a nave New Horizons, da NASA, começou a fotografar no último domingo (25) o mundo misterioso e coberto de gelo daquele que era o nono planeta do nosso Sistema Solar. As informações são da BBC.

A New Horizons já viajou 4,8 bilhões de quilômetros e ainda está a 210 milhões de km de Plutão, o que fará com que as primeiras fotografias do planeta sejam apenas de um ponto de luz contra as estrelas. Mesmo assim, a agência ressalta que as fotos são essenciais para o posicionamento da sonda sobre a atmosfera do planeta, que será sobrevoado em julho deste ano. Esta é a primeira viagem da humanidade até Plutão, mesmo que todo o processo seja acompanhado aqui da Terra.

"New Horizons tem sido uma missão de gratificação adiada em muitos aspectos e está finalmente acontecendo agora. Vai ser uma corrida pelos próximos sete meses, basicamente, até a linha de chegada. Mal podemos esperar o momento de transformar Plutão em um mundo real, em vez de uma pequena mancha pixelizada", disse à agência AFP o cientista Hal Weaver, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, que participa do projeto.

Lançada do Cabo Canaveral há nove anos, a New Horizons é uma missão com custo de US$ 700 milhões. A sonda interrompeu um período de hibernação no começo do mês passado para prosseguir em sua última etapa, a mais difícil e importante de sua jornada: explorar Plutão e sua lua Caronte, que tem quase a metade do tamanho do planeta anão.

De acordo com os cientistas da NASA, uma das maiores complicações é que os sete instrumentos a bordo da nave precisam trabalhar em diferentes distâncias para concluir a captação de dados. Para alcançar este objetivo, os pesquisadores vão se basear em um complexo programa de observação que, ao cronometrar e acompanhar o tempo exato de cada manobra vai garantir que o sobrevoo pela atmosfera do planeta ocorra sem problemas.

Os envolvidos na missão querem que os horários exatos sejam executados com uma tolerância de 100 segundos, tempo que vai permitir à New Horizons saber para onde e quando apontar os instrumentos. A abordagem mais próxima de Plutão será realizada no dia 14 de julho, a uma distância de aproximadamente 13 mil km da superfície e a uma velocidade de quase 50 mil km/h.

Plutão

Diferentes ângulos de Plutão capturados pelo telescópio Hubble em 2002 e 2003. (Foto: AP/NASA)

Até hoje, as únicas imagens registrada de Plutão são as do telescópio Hubble, mas a maior parte delas revela apenas borrões da aparência real do planeta, que ainda é desconhecida. Os cientistas esperam divulgar as primeiras fotos capturadas pela New Horizons no início de fevereiro e uma nova leva com mais qualidade em maio.

Os anões são a classe planetária mais numerosa do Sistema Solar e, até então, nunca haviam recebido a "visita" de sondas enviadas da Terra - o mais longe que elas chegaram foram aos corpos celestes que antecedem Plutão: Urano e Netuno. Plutão é o maior objeto de uma região conhecida como Cinturão de Kuiper, que também abriga outras cinco luas de Plutão. Uma vez cumprida a missão de observação, a New Horizons continuará explorando essa região em busca de outras luas e planetas por mais quatro anos.